Skip to main content

O problema com a tradição
Um método tradicional para detecção de resíduos explosivos de guerra (ERW, Explosive Remnants of War) e UXOs é o levantamento analógico conhecido como detecção magnética e sinalização. Trata-se de um processo rápido e acessível adotado por ser uma forma econômica de aumentar a segurança das comunidades em risco e limpar antigas zonas de guerra e bombardeios. No entanto, essa técnica está longe de ser perfeita.

Os métodos de detecção magnética e sinalização usam detectores de metais para identificar a presença de metais ferrosos ou não ferrosos. Esses instrumentos são semelhantes a um detector de metal comum que qualquer pessoa pode usar na praia. Quando o operador interpreta o sinal de alarme sonoro, visual ou de movimento, coloca uma bandeira no chão para identificar o perigo potencial. São muitos os problemas decorrentes de detecção magnética e sinalização:

  • O sucesso depende do operador
  • Nenhum dado digital auditável é registrado
  • Possibilidade de perda de alvos
  • Não é possível distinguir entre material bélico e detritos de metal
  • Alta taxa de falsos alarmes
  • Mau funcionamento do instrumento
  • Solos magnéticos podem afetar as leituras

Devido à alta taxa de falsos alarmes, existe a possibilidade de evacuar comunidades desnecessariamente e manter os recursos apenas para identificar alvos potenciais que posteriormente são confirmados como detritos. Por outro lado, as condições do solo e o erro do operador podem fazer com que o UXO permaneça no solo, colocando as comunidades em risco indevidamente.

Os benefícios do método digital
A geofísica digital para levantamentos de UXO foi documentada para reduzir o número de UXOs não identificados de maneira significativa. Esses levantamentos aumentam a precisão da detecção, pois fornecem um registro detalhado da cobertura do levantamento e um arquivo de histórico. Esse registro pode ser revisado e reprocessado para garantir a coleta de dados adequada e corrigido no caso de um problema no levantamento.

Os levantamentos digitais permitem que a área seja analisada com vários parâmetros, como profundidade, tamanho e natureza do alvo, para ajudar a distinguir UXOs de fragmentos inofensivos de metal ou componentes magnéticos no solo.

Departamento de defesa dos EUA
Anteriormente, o Departamento de defesa (DoD, Department of Defense) e o Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos (USACE, US Army Corps of Engineers) usavam o método tradicional de detecção magnética e sinalização para limpar locais que contêm munição. Com a falta de precisão desses instrumentos analógicos, na maioria das áreas de retirada de munição, todos os objetos de metal precisavam ser desenterrados para classificar o seu nível de risco, inclusive fragmentos inofensivos de metal.

Técnicos de UXOs altamente treinados precisavam retirar centenas de itens inertes e não perigosos para cada munição recuperada.

Os custos associados a essa ineficiência eram substanciais, e as limitações de orçamento e recursos significavam limitação do número de acres a serem examinados.

Encerramentos e evacuações desnecessárias afetavam as comunidades, e escavações excessivas afetavam a vegetação local. Por isso, o DoD começou a usar sensores geofísicos digitais. Inicialmente, foram realizados levantamentos magnéticos que medem a suscetibilidade magnética e são adequados para detecção de materiais ferromagnéticos (como o aço). . Embora esse processo tenha sido útil na detecção de UXOs, os levantamentos ainda coletavam fragmentos de metal e de bombas que poderiam ser deixados no solo. Os sensores eletromagnéticos foram usados devido aos insights adicionais que esses dados de levantamentos poderiam fornecer para estimar parâmetros sobre alvos, como profundidade e tamanho.

Atualmente, os sensores avançados de indução eletromagnética (EMI, Electromagnetic Induction) foram projetados especificamente para encontrar e classificar metais enterrados. Esses sensores com vários eixos geram dados valiosos que medem as propriedades intrínsecas do alvo, como simetria axial do objeto, taxa de decaimento e magnitude da resposta. Esses dados são invertidos para fornecer informações sobre a forma do objeto, a espessura da parede e o tamanho físico.

Geralmente, os itens de munição são simétricos, com paredes grossas e maiores em tamanho se comparados aos itens que não são UXO. Uma decisão de classificação é feita com base em uma comparação entre as “impressões digitais” do alvo e uma biblioteca de parâmetros de objetos de itens de munição conhecidos. Se a análise indicar um item alvo que corresponda à descrição de uma munição, ela será retirada. Se algo que corresponda à descrição de detritos for encontrado, será deixado no solo. Quando a classificação for inconclusiva, o item será retirado e analisado.

Foi demonstrado que esse processo de classificação representa uma enorme economia de custos relacionados à escavação. Como resultado, a classificação geofísica avançada (AGC, Advanced Geophysical Classification) agora é exigida pelo USACE em seus projetos de retirada de munição.

Soluções da Seequent para classificação de UXOs

As empresas contratadas entendem que o segredo para um projeto bem-sucedido está em aumentar a eficiência e garantir a precisão, mas manter os custos baixos. Os levantamentos geofísicos digitais podem representar de 10 a 100 Gbs de dados por dia ao usar sensores eletromagnéticos avançados.

Os fluxos de trabalho especializados no software Oasis montaj e nas extensões UXO Land/Marine e UX-Analyze da Seequent foram criados especificamente para lidar com grandes volumes de dados de munições geofísicas e estão mudando a maneira como as operações de UXOs coletam e analisam dados, pois aumentam a precisão e a eficiência e mantêm os projetos dentro do orçamento.

Veja como as soluções da Seequent aumentam a eficácia em levantamentos terrestres e marítimos em busca de UXOs:

Fluxos de trabalho padrão do setor: a Seequent fez parceria com líderes em inovação em levantamentos de munições, fabricantes de equipamentos e o Departamento de defesa dos EUA para desenvolver técnicas avançadas e sofisticadas de detecção e classificação de UXOs que são seguras, rápidas, eficientes e eficazes, pois permitem realizar o trabalho com rapidez e confiabilidade além de diferenciar sua empresa da concorrência para ganhar projetos.

Ferramentas especializadas para processamento de dados: ferramentas criadas especificamente para processar grandes volumes de dados geofísicos para fins de posicionamento preciso de sensores únicos ou conjuntos de sensores, correções de navegação ao trabalhar em ambientes marinhos, aplicação de correções e filtros de instrumentos para eliminar ruídos ou sinais indesejados de seus dados e verificações de controle de qualidade de dados. Isso garante confiabilidade na precisão dos locais alvo e na qualidade dos seus dados.

Ferramentas de seleção e gerenciamento de alvos: ao trabalhar com centenas ou milhares de alvos potenciais, as ferramentas que oferecem formas automatizadas e manuais de selecionar alvos facilitam e agilizam o gerenciamento da lista de alvos.

Análise de alvos: as ferramentas de análise de anomalias magnéticas e eletromagnéticas fornecem cálculos de profundidades e localizações estimadas de alvos, tamanho aparente e momento magnético que ajudam a caracterizar alvos de UXOs para uma tomada de decisão com base em informações detalhadas. A modelagem de inversão automatizada permite o uso de um pequeno volume de dados normalmente visto em muitos levantamentos magnéticos e gradiométricos marítimos.

Classificação de alvos: ao trabalhar com dados de sensores de indução eletromagnética avançada, a extensão UX-Analyze gera fluxos de trabalho otimizados para permitir a classificação e a ordenação de alvos a fim de separar itens de munição dos demais achados.

Visualização de dados: exiba e apresente os seus dados e destinos como perfis em 1D, malhas em 2D ou visualizações em 3D. Os mapas também são vinculados dinamicamente aos dados originais no banco de dados para ajudar na interpretação dos resultados.

Scripts: as rotinas padrão de processamento e preparação de dados podem ser coletadas e registradas como scripts para automatizar processos repetitivos.
Registro de auditoria: além de mapas e listas de alvos, um registro de arquivo de histórico de etapas do processamento de dados é coletado para futuras consultas.

Colaboração com stakeholders: compartilhe e discuta facilmente os seus resultados com membros da equipe e especialistas em conhecimento. Trabalhe em conjunto para gerenciar melhor os riscos, custos e cronogramas dos projetos.

Suporte técnico: uma rede global de suporte técnico garante acesso ininterrupto às ferramentas de produtividade necessárias no momento em que forem necessárias. Os requisitos essenciais são atendidos e os problemas são resolvidos de forma eficiente por meio do nosso suporte assistido por agentes e escalonamento de suporte hierárquico.