Skip to main content

Divulgar insights para os stakeholders é essencial em qualquer empresa de infraestrutura, mas os projetos de transporte tem uma camada extra de complexidade a ser enfrentada.

Janina Elliott

Líder técnica global do Central, Seequent

Os projetos de transporte de grande escala são, invariavelmente, projetos plurianuais complexos que devem integrar vários stakeholders adequadamente para cumprir metas, prazos e orçamentos. Entre eles estão os proprietários dos projetos, os empreiteiros multidisciplinares, as empresas subcontratadas e o público em geral.

Eles podem estar separados por geografia, responsabilidade ou experiência, mas todos precisam estar integrados de forma simples e transparente para garantir uma colaboração eficaz.

Durante todo o ciclo de vida de um projeto, desde estudos iniciais e levantamentos no campo até o desenvolvimento desse projeto, a construção e, eventualmente, a operação, uma diretriz é inquestionável: os dados fornecidos por cada um desses stakeholders devem ser organizados de maneira uniforme, estar facilmente acessíveis e ser contextualmente compreendidos para beneficiar a todos ao máximo.

No entanto, ao longo da vida útil de um projeto de transporte, à medida que seu progresso dá muitas voltas e reviravoltas, a linha de visão do início à conclusão do projeto torna-se confusa com frequência.

Talvez as dificuldades estejam relacionadas ao tamanho ou à complexidade do projeto, além de fatores econômicos e políticos. Mas, com mais frequência, é a falta de fluxo de dados e a comunicação consistentes que contribui para atrasos e aumento de custos.

As condições da subsuperfície exigem um nível extra de explicações

A infraestrutura de transporte não é o único setor que depende da interação multidisciplinar e do uso de serviços de consultoria e contratação. No entanto, ele enfrenta uma camada extra de complexidade, que é a interação entre as dimensões acima e abaixo da superfície.

Isso é um verdadeiro desafio para empresas contratadas e consultores geocientíficos. Geralmente, eles participam de conversas em algumas etapas e só têm acesso a um subconjunto de informações separado e frequentemente em um formato não estruturado ou em 2D.

Essa natureza dos projetos de transporte e a probabilidade de que eles cubram grandes distâncias em vários terrenos apenas aumentam os problemas geológicos e de subsuperfície que surgem e, consequentemente, o volume de dados que precisam ser coletados, interpretados e compreendidos.

Para ter uma visão real, os stakeholders precisam ter acesso aos dados históricos do projeto, controlados por versão, e, assim, compreender como os dados e os modelos foram desenvolvidos, quem os criou e o motivo das decisões tomadas, mas tudo isso sem comprometer a segurança das informações acessadas.

Um sistema de visualização de dados em 3D baseado em nuvem pode ajudar a reduzir os riscos de falha de comunicação, perda de dados, atrasos e custos excedentes. E embora o compartilhamento de dados seja ótimo, para aproveitá-los ao máximo, também precisamos nos comunicar com clareza e engajamento. Usar uma fonte única e central de dados para visualização na Web, notificações, cenários e comentários pode melhorar o histórico de um projeto para todos os envolvidos, e isso é apenas o começo.

Para obter a versão completa deste recurso com mais ideias, dicas práticas, sugestões de produtos e um estudo de caso, faça o download do nosso eBook.

Controle do solo
Seis maneiras para o setor de transportes enfrentar os desafios relacionados à subsuperfície em seus projetos

Confira o nosso novo eBook

Faça o download agora