Skip to main content

O GeoStudio TechTalk de outubro apresentou o pacote GeoStudio Core, incluindo casos de uso comuns que podem ser analisados usando os produtos incluídos no pacote.

Este vídeo mostrará um processo passo a passo para definir a árvore de análise, os materiais e a geometria, seguido pela revisão dos resultados de um projeto de exemplo.

O pacote GeoStudio Core combina os três produtos GeoStudio que normalmente são usados em projetos de engenharia (SLOPE/W, SEEP/W e SIGMA/W). A integração desses três produtos pode ajudar a alcançar resultados realísticos para vários problemas.

Visão geral

Palestrantes

Vincent Castonguay

Duração

1 hora 4 min

Veja mais vídeos sob demanda

Vídeos

Saiba mais sobre a solução para mineração da Seequent

Saiba mais

Transcrição do vídeo

[00:00:03.540]
<v Vincent>Olá, e bem-vindo a este Tech Talk sobre o GeoStudio.</v>

[00:00:06.720]
Estes webinars mensais foram projetados para melhorar a

[00:00:08.880]
compreensão do software

[00:00:10.610]
e, em última análise, promover o sucesso em projetos de engenharia.

[00:00:14.350]
O Tech Talk deste mês apresentará o GeoStudio Core,

[00:00:17.810]
composto do SLOPE/W, SEEP/W e SIGMA/W,

[00:00:21.820]
para resolver problemas complexos.

[00:00:24.860]
Sou Vincent Castonguay.

[00:00:26.610]
Trabalho como especialista em pesquisa e desenvolvimento

[00:00:28.880]
na Unidade de negócios do GeoStudio aqui na Seequent.

[00:00:32.620]
Os webinars de hoje terão aproximadamente 60 minutos de duração.

[00:00:36.220]
Os participantes poderão fazer perguntas usando o recurso de bate-papo.

[00:00:39.920]
Responderei a essas perguntas por e-mail

[00:00:42.170]
o mais rápido possível, e uma gravação do webinar

[00:00:45.960]
estará disponível para que os participantes possam revisar

[00:00:48.300]
a demonstração em uma outra hora.

[00:00:51.679]
O GeoStudio é um pacote de software

[00:00:53.270]
desenvolvido para engenheiros geotécnicos

[00:00:55.240]
e geocientistas, composto por vários produtos.

[00:00:58.630]
A variedade de produtos permite aos usuários

[00:01:01.030]
resolver uma grande variedade de problemas

[00:01:02.740]
que podem ser encontrados nesses campos.

[00:01:05.390]
Hoje, veremos especificamente

[00:01:07.410]
três dos nossos produtos: SLOPE/W, SEEP/W e SIGMA/W.

[00:01:13.690]
Quem quiser aprender mais sobre os produtos,

[00:01:15.730]
incluindo teoria de base, recursos disponíveis

[00:01:18.370]
e cenários de modelagem típicos,

[00:01:20.580]
encontrará uma extensa biblioteca de suas fontes no

[00:01:23.430]
website do GeoStudio.

[00:01:26.040]
Lá, você pode encontrar vídeos tutoriais,

[00:01:28.040]
exemplos com explicações detalhadas

[00:01:30.490]
e livros de engenharia sobre cada produto.

[00:01:35.050]
Vou começar este webinar mostrando a você

[00:01:37.050]
esta bela imagem de uma inclinação mergulhando em direção ao mar.

[00:01:41.370]
Este é um local dos sonhos para os turistas

[00:01:43.590]
ou o pesadelo dos engenheiros geotécnicos,

[00:01:45.860]
dependendo de quem está vendo isso.

[00:01:49.160]
Um engenheiro geotécnico verá naturalmente a opção dois.

[00:01:52.170]
Essa feição geológica complexa e natural

[00:01:54.660]
muitas vezes será transformada em uma representação em 2D,

[00:01:57.800]
despojada de tantas complexidades quanto possível,

[00:02:01.160]
para entender os principais mecanismos e controlar o comportamento.

[00:02:05.710]
Uma pergunta que um engenheiro geotécnico talvez precise responder

[00:02:08.430]
em relação a essa inclinação é: ela é estável?

[00:02:12.840]
Para representar melhor o problema

[00:02:14.500]
e poder responder adequadamente às perguntas,

[00:02:16.860]
talvez tenhamos que considerar as condições da água

[00:02:19.210]
que existem na inclinação.

[00:02:21.070]
Onde fica o aquífero?

[00:02:22.570]
Como isso afeta a resistência ao cisalhamento?

[00:02:25.520]
Também, talvez precisemos considerar se há condições de

[00:02:28.880]
tensões e deformação que afetam a inclinação.

[00:02:33.750]
Depois que todos esses elementos são considerados,

[00:02:37.180]
podemos começar a responder à pergunta de engenharia

[00:02:39.830]
prosseguir para uma análise de estabilidade de taludes.

[00:02:45.340]
O processo que acabei de descrever

[00:02:46.870]
é exatamente o que este webinar aborda.

[00:02:49.890]
Como podemos utilizar os produtos GeoStudio Core

[00:02:52.510]
de forma integrada para resolver um problema complexo de engenharia?

[00:02:58.970]
Neste webinar,

[00:03:00.060]
primeiro revisaremos os produtos GeoStudio Core.

[00:03:04.270]
Em seguida, vamos analisar

[00:03:06.330]
o processo de modelagem numérica

[00:03:08.017]
e os aspectos importantes a serem considerados

[00:03:10.600]
para fazer uma análise numérica bem-sucedida.

[00:03:15.300]
Por fim, vou demonstrar como colocar isso em prática

[00:03:18.400]
criando um exemplo em que a sequência de construção

[00:03:21.520]
de dois aterros é simulada

[00:03:23.860]
usando a linha completa de produtos GeoStudio Core.

[00:03:31.070]
Vamos nos aprofundar nisso analisando cada produto

[00:03:33.980]
que compõe a linha GeoStudio Core.

[00:03:38.240]
Como mencionei anteriormente,

[00:03:39.940]
o GeoStudio Core refere-se aos três produtos mais populares

[00:03:43.230]
que fazem parte do portfólio do GeoStudio:

[00:03:46.620]
SLOPE/W, SEEP/W e SIGMA/W.

[00:03:51.030]
O SLOPE/W é um aplicativo de estabilidade de equilíbrio limite

[00:03:54.870]
no qual uma inclinação é dividida em vários cortes,

[00:03:58.100]
as forças motrizes e de resistência são calculadas

[00:04:00.420]
dentro de cada corte

[00:04:02.490]
e os fatores de segurança são calculados.

[00:04:05.120]
A inclinação fundamentalmente envolve a comparação da resistência

[00:04:08.390]
versus forças motrizes.

[00:04:11.670]
A infiltração de água costuma ser um fator importante

[00:04:14.290]
em muitas problemáticas geotécnicas.

[00:04:16.900]
O SEEP/W é um software de elementos finitos,

[00:04:19.470]
no qual um domínio é disfarçado em pequenos elementos

[00:04:23.180]
para resolver o balanço hídrico dentro do domínio.

[00:04:27.610]
O SEEP/W ajudará a estabelecer as condições de água

[00:04:29.940]
que podem ser então usadas por outros módulos no GeoStudio.

[00:04:34.980]
Por fim, o SIGMA/W é o módulo de modelagem de tensão e deformação

[00:04:38.860]
no GeoStudio.

[00:04:40.832]
Semelhante à forma como o SEEP/W funciona,

[00:04:43.460]
o SIGMA/W disfarça um domínio em elementos finitos,

[00:04:47.440]
mas, desta vez, para resolver o equilíbrio de deslocamento de força.

[00:04:51.820]
O SIGMA/W ajuda a estabelecer as tensões e deformações

[00:04:55.070]
que existem dentro de um domínio.

[00:04:59.400]
O ponto forte do pacote GeoStudio Core

[00:05:01.840]
é a implementação precisa

[00:05:03.650]
das várias forças físicas que interagem umas com as outras.

[00:05:07.140]
As condições das águas subterrâneas, calculadas com SEEP,

[00:05:09.770]
podem influenciar as tensões e deformações

[00:05:12.390]
calculados com o SIGMA/W.

[00:05:15.130]
Ambas as forças físicas podem, por sua vez,

[00:05:17.120]
ser levadas para o SLOPE/W

[00:05:18.620]
a fim de calcular a estabilidade de uma inclinação ou estrutura geológica.

[00:05:22.780]
Cada modelo pode ser feito de forma a impactar os outros de várias maneiras

[00:05:26.320]
que discutiremos neste webinar.

[00:05:30.400]
Agora, vamos nos concentrar no processo de modelagem numérica

[00:05:33.250]
e quais são alguns dos aspectos importantes a serem considerados

[00:05:36.210]
ao configurar uma análise numérica mais complexa.

[00:05:39.970]
O uso do SEEP/W e do SIGMA/W em conjunto com o SLOPE/W

[00:05:44.300]
gera alguns desafios novos que precisam ser enfrentados,

[00:05:47.670]
especialmente pelos usuários mais experientes

[00:05:50.200]
no uso do SLOPE/W sozinho.

[00:05:54.770]
Imagine que eu tenho um problema de engenharia para resolver

[00:05:57.000]
e eu gostaria prosseguir com modelagem numérica

[00:05:59.180]
para me ajudar com essa tarefa.

[00:06:01.740]
Primeiro, precisarei conceitualizar o problema em questão

[00:06:04.320]
para poder submeter meu modelo conceitual à análise.

[00:06:08.800]
Então, por exemplo,

[00:06:09.633]
essa inclinação que mostrei no início do webinar

[00:06:11.910]
poderia ser conceitualizada como a seguinte geometria.

[00:06:15.530]
A conceitualização tem em seu núcleo

[00:06:18.090]
a ideia de simplificação.

[00:06:20.530]
Ao realizar simulações numéricas,

[00:06:22.560]
tendemos a complicar demais as geometrias que usamos,

[00:06:25.740]
provavelmente com medo de perder detalhes importantes.

[00:06:29.690]
Se você voltar apenas 10 ou 20 anos,

[00:06:32.390]
tentar resolver geometrias muito complexas

[00:06:34.630]
teria sido quase impossível

[00:06:36.050]
devido à falta de poder computacional.

[00:06:38.980]
Hoje em dia, porém, os laptops mais básicos

[00:06:41.530]
podem resolver problemas bastante complexos.

[00:06:44.410]
Então, de certa forma, existe a tendência de evitar simplificar

[00:06:48.070]
geometrias problemáticas

[00:06:48.980]
porque sabemos que o computador pode lidar com elas.

[00:06:52.120]
Mas o ponto permanece: geometrias mais simples

[00:06:54.840]
muitas vezes levam a uma interpretação mais fácil dos resultados.

[00:06:58.580]
Devemos, portanto, simplificar o máximo que pudermos

[00:07:01.450]
e voltarmos à questão mais tarde, quando tivermos uma boa compreensão

[00:07:03.830]
do que os resultados significam,

[00:07:05.560]
adicionando mais complexidade se necessário.

[00:07:10.360]
O próximo passo para resolver o problema de modelagem numérica

[00:07:12.700]
seria escolher cuidadosamente as forças físicas

[00:07:14.500]
que se aplicam ao problema em questão.

[00:07:16.960]
Eu gosto de encarar essas forças físicas

[00:07:18.310]
em termos de produtos GeoStudio.

[00:07:20.740]
Por exemplo, se estou tentando modelar

[00:07:22.230]
o efeito do desaparecimento do permafrost debaixo de um bueiro,

[00:07:25.750]
precisarei incluir o SEEP/W no meu modelo

[00:07:29.070]
para contabilizar as transferências de água,

[00:07:31.590]
o TEMP/W para simular as trocas de calor

[00:07:34.240]
e o SIGMA/W para calcular o comportamento de tensão e deformação resultante.

[00:07:38.680]
Qualquer problema de engenharia deve ser cuidadosamente estudado.

[00:07:41.060]
para decidir quais forças físicas se aplicam e, assim,

[00:07:44.080]
que módulo do GeoStudio deve ser incluído na análise.

[00:07:50.060]
À medida que adicionamos forças físicas em nossos modelos,

[00:07:52.610]
também precisamos escolher quais leis constitutivas

[00:07:56.050]
representarão corretamente o comportamento do solo.

[00:07:59.260]
Uma lei constitutiva é um conjunto de equações matemáticas

[00:08:03.480]
que pretende traduzir o comportamento real do solo

[00:08:06.350]
em linguagem de informática

[00:08:07.720]
para que o GeoStudio possa modelar adequadamente os solos

[00:08:10.930]
de uma forma adequada à realidade em campo.

[00:08:14.109]
As leis constitutivas existem para representar

[00:08:16.810]
o comportamento de tensão-deformação dos solos, por exemplo,

[00:08:19.090]
ou a capacidade de transferência de água e calor

[00:08:22.020]
ou qualquer outra característica de comportamento que consideremos importante

[00:08:24.660]
em nossas simulações.

[00:08:28.050]
Várias partes de um domínio podem exigir

[00:08:30.240]
leis constitutivas distintas,

[00:08:32.310]
porque os materiais podem se comportar de forma bem diferente.

[00:08:35.670]
Escolher a lei constitutiva apropriada

[00:08:37.660]
para determinado solo exige conhecimento e experiência.

[00:08:41.920]
Embora não seja necessário conhecer e entender

[00:08:44.500]
cada detalhe complexo do funcionamento

[00:08:47.100]
das várias leis constitutivas,

[00:08:49.600]
é importante ter um entendimento geral

[00:08:51.680]
dos modelos que escolhemos usar.

[00:08:53.350]
Caso contrário, talvez não possamos

[00:08:55.060]
interpretar corretamente os resultados.

[00:08:58.810]
O próximo item a definir na lista

[00:09:01.120]
são as condições de limite que se aplicam ao nosso domínio.

[00:09:04.560]
As condições de limite podem assumir muitas formas

[00:09:06.440]
dependendo do tipo de análise que estamos realizando,

[00:09:09.400]
mas geralmente servem ao mesmo propósito geral

[00:09:12.690]
e forçam certas condições a fazer parte do domínio

[00:09:15.910]
para conduzir as simulações.

[00:09:19.380]
No caso de uma simulação do SIGMA/W, por exemplo,

[00:09:22.180]
as condições de limite podem incluir deslocamentos limitantes

[00:09:26.020]
na aresta do domínio ou aplicação de forças e tensões.

[00:09:30.880]
Especificar a condição hidráulica

[00:09:33.010]
também é uma forma de aplicação de condição de limite.

[00:09:36.900]
Definir adequadamente as condições de limite

[00:09:39.350]
que se aplicam a um modelo numérico pode ser bastante desafiador

[00:09:42.580]
e fácil de ignorar.

[00:09:45.120]
Especificar o grupo errado de condições para um problema

[00:09:48.130]
causará as mesmas dificuldades para a solução geral

[00:09:51.160]
que seria causado por geometria em lote

[00:09:53.040]
ou por não escolher os dados de entrada apropriados

[00:09:55.700]
para as leis constitutivas.

[00:09:59.750]
Depois de cuidar corretamente das etapas um a quatro,

[00:10:04.120]
podemos seguir em frente para resolver a análise numérica.

[00:10:06.540]
Chamamos essa etapa de interpretação.

[00:10:10.010]
Para o usuário, geralmente essa é a etapa mais simples

[00:10:12.750]
de todo o processo de modelagem.

[00:10:15.890]
Assim que os cálculos são concluídos,

[00:10:18.349]
o GeoStudio apresentará os resultados,

[00:10:19.860]
que podem ser visualizados em gráficos de curvas de nível

[00:10:21.760]
ou gráficos de linha, por exemplo.

[00:10:24.880]
Mas os resultados calculados por si só não valem muita coisa

[00:10:28.670]
se não forem devidamente verificados por um usuário competente.

[00:10:33.340]
Essa etapa é crucial em qualquer análise numérica.

[00:10:37.980]
É preciso ter conhecimento e experiência suficientes

[00:10:40.470]
para poder analisar os resultados da simulação

[00:10:42.830]
e avaliar se a resposta

[00:10:44.630]
calculada pelo software faz sentido.

[00:10:47.750]
Na maioria dos casos, o software inserirá alguns resultados.

[00:10:51.730]
Fica a cargo do usuário entender o que esses resultados significam.

[00:10:56.090]
E muitas vezes dizemos que os modeladores numéricos

[00:10:58.090]
devem saber a resposta que esperam

[00:10:59.810]
antes mesmo de iniciarem o software que pretendem usar.

[00:11:02.920]
Ter uma ideia geral de quais devem ser os resultados

[00:11:07.170]
ajudará o usuário a interpretar

[00:11:09.730]
o que o software está lhes dizendo.

[00:11:13.790]
Por fim, essa etapa de verificação pode revelar algumas falhas

[00:11:17.330]
e escolhas feitas ao longo do caminho

[00:11:19.280]
da conceitualização à interpretação.

[00:11:22.880]
É bastante comum, então, precisarmos

[00:11:25.010]
dar um passo atrás à medida que inspecionamos os resultados calculados

[00:11:28.030]
para repensar nossas escolhas de leis constitutivas, por exemplo,

[00:11:31.050]
ou aquela condição de limite específica que não tínhamos certeza

[00:11:35.230]
se era apropriada ou não.

[00:11:37.980]
Avaliar criticamente essas escolhas

[00:11:40.300]
ajudará a produzir simulações numéricas de maior qualidade.

[00:11:46.690]
Uma característica da modelagem numérica

[00:11:48.050]
que os usuários encontrarão com mais frequência

[00:11:50.430]
é o que chamamos de relacionamentos pai-filho.

[00:11:53.680]
Na vida real, uma criança herda certas características

[00:11:56.743]
dos seus pais que elas podem, por sua vez, passar adiante

[00:11:59.910]
para seus próprios filhos.

[00:12:01.610]
Filhos dos mesmos pais

[00:12:03.200]
compartilharão as mesmas características.

[00:12:06.430]
Bem, o mesmo vale para a análise do GeoStudio.

[00:12:09.350]
As características recebidas da análise dos pais

[00:12:12.050]
passarão para a análise do filho e

[00:12:14.920]
assumirão a forma de fatores de tensão, poropressão,

[00:12:17.920]
deformações de acumulador e assim por diante.

[00:12:20.360]
Isso ajuda a criar hierarquia e estrutura

[00:12:22.930]
em árvores de análise complexas nas quais muitos tipos de análise

[00:12:27.590]
podem coexistir e compartilhar informações.

[00:12:30.540]
Por exemplo, nessa árvore de análise,

[00:12:33.210]
todas as análises exibidas compartilham a mesma geometria.

[00:12:38.120]
A análise de infiltração fica um nível de hierarquia acima

[00:12:41.030]
na árvore de análise em relação à análise in situ.

[00:12:44.050]
Assim, a análise de infiltração atua como pai,

[00:12:47.180]
enquanto a análise in situ é o filho.

[00:12:49.940]
A análise in situ pode então herdar certas características

[00:12:53.070]
da análise de infiltração, nesse caso,

[00:12:55.410]
de poropressão.

[00:12:57.810]
Podemos determinar isso ao definir cada análise.

[00:13:01.960]
É importante notar aqui a análise de equilíbrio de limite,

[00:13:05.040]
exibida mais abaixo na árvore de análise.

[00:13:07.830]
Essa análise também é filha direta

[00:13:09.730]
da análise de infiltração.

[00:13:11.770]
Como está no mesmo nível da análise in situ,

[00:13:15.290]
podemos chamá-las de irmãs.

[00:13:17.570]
Ambas têm acesso às informações

[00:13:19.280]
fornecido pelo pai, a análise de infiltração.

[00:13:23.290]
Continuando na árvore de análise,

[00:13:25.580]
a análise de correção de tensão fica em um nível hierárquico

[00:13:28.550]
abaixo da análise in situ.

[00:13:31.697]
A análise in situ é então considerada

[00:13:34.220]
pai da análise de correção de tensão

[00:13:36.220]
e pode passar informações para ela.

[00:13:39.810]
Finalmente, nessa árvore de análise, aquelas rotuladas como A, B e C

[00:13:44.330]
são todas irmãs

[00:13:45.390]
cujos pais são a análise de correção de tensão.

[00:13:51.320]
Agora estamos prontos para passar para o exemplo prático

[00:13:54.290]
que analisaremos para ilustrar os vários conceitos

[00:13:56.610]
que foram discutidos no webinar.

[00:14:00.730]
Cubzac-les-Ponts refere-se a aterros de teste

[00:14:03.640]
construído na década de 1980 na França

[00:14:06.200]
e estudado por vários pesquisadores.

[00:14:09.540]
Dois aterros em especial foram analisados.

[00:14:12.060]
O aterro A, que foi construído rápido e alto

[00:14:15.830]
para resultar propositalmente em falha da argila macia subjacente.

[00:14:21.470]
O aterro B foi construído lentamente

[00:14:24.150]
para monitorar como a dissipação da poropressão

[00:14:26.580]
ocorreria na argila macia subjacente.

[00:14:31.650]
O objetivo aqui é utilizar GeoStudio Core

[00:14:33.900]
para replicar os resultados.

[00:14:37.760]
A sequência de construção para ambos os aterros

[00:14:40.680]
é mostrada neste gráfico.

[00:14:42.850]
O aterro A, mostrado em azul, foi construído em 4 desvios na vertical

[00:14:46.640]
e atingiu uma altura máxima de 4,5 metros

[00:14:49.260]
após 8 dias de construção.

[00:14:51.820]
O atero B, mostrado em vermelho, foi construído em 6 desvios na vertical

[00:14:55.340]
e só atingiu uma altura máxima de 2,4 metros

[00:14:58.080]
após 6 dias de construção.

[00:15:00.790]
A falha no aterro A ocorreu no nono dia

[00:15:02.960]
enquanto o aterro B foi monitorado por anos

[00:15:05.230]
depois que a construção parou.

[00:15:08.360]
Aqui está uma seção transversal do aterro A

[00:15:10.420]
na qual podemos ver os quatro desvios na vertical em laranja,

[00:15:13.490]
construídos em cima de uma crosta dessecada de dois metros de espessura,

[00:15:17.020]
em amarelo.

[00:15:18.980]
E o material do resto do depósito de solo

[00:15:20.540]
é argila macia, em verde.

[00:15:24.820]
Da mesma forma, aqui está a geometria do aterro B,

[00:15:27.830]
na qual podemos ver uma altura total menor para o aterro,

[00:15:31.480]
bem como os pequenos desvios na vertical usados.

[00:15:34.540]
Como os dois aterros foram construídos no mesmo local,

[00:15:38.610]
encontramos a mesma crosta dessecada

[00:15:40.810]
e depósitos de argila macia.

[00:15:43.290]
Para reduzir o esforço computacional pela metade,

[00:15:45.540]
podemos usar a simetria da geometria

[00:15:47.790]
cortando o domínio pela metade

[00:15:49.300]
por onde passa o eixo de simetria.

[00:15:52.340]
Mais tarde, veremos como as condições de limite

[00:15:54.280]
nas quais se encontra esse eixo de simetria precisam ser modificadas

[00:15:57.330]
para representar adequadamente a simplificação.

[00:16:02.040]
As condições hidráulicas iniciais

[00:16:03.560]
são muito simples no local do teste:

[00:16:05.320]
a superfície frenética foi posicionada

[00:16:07.510]
a oito metros de elevação,

[00:16:09.150]
a meio caminho daquela crosta dessecada.

[00:16:11.770]
Essas condições se aplicam a ambos os aterros.

[00:16:16.530]
Agora, vamos dar uma olhada na estrutura da árvore de análise

[00:16:19.250]
para cada cenário de aterro.

[00:16:21.790]
Para o aterro A, a primeira análise realizada

[00:16:24.340]
usa o SEEP/W para calcular a poropressão

[00:16:27.090]
no domínio.

[00:16:28.840]
Em seguida, é realizada uma análise in situ do SIGMA/W

[00:16:32.260]
para iniciar as condições de tensão dentro do domínio.

[00:16:36.930]
Observe aqui o relacionamento pai-filho.

[00:16:39.280]
A análise in situ usará uma poropressão

[00:16:42.020]
definido pela análise do SEEP/W.

[00:16:44.900]
O próximo aterro foi construído usando a

[00:16:48.093]
análise de consolidação do SIGMA/W

[00:16:50.130]
seguindo a sequência descrita anteriormente.

[00:16:53.160]
A análise de consolidação aproveita a

[00:16:56.370]
formulação totalmente acoplada do SIGMA/W,

[00:16:57.680]
na qual uma migração de poropressão

[00:16:59.880]
é simulada adequadamente à medida que ocorre a consolidação do solo.

[00:17:04.490]
A etapa final desta árvore de análise

[00:17:07.030]
é uma estabilidade baseada em tensão realizada no SLOPE/W.

[00:17:11.230]
As condições de tensão e poropressão

[00:17:13.560]
que existem no fim do estágio quatro da sequência de construção

[00:17:17.270]
são repassadas para a análise do SLOPE/W

[00:17:22.100]
a fim de calcular o fator de segurança.

[00:17:25.889]
Uma abordagem muito semelhante é usada para o aterro B,

[00:17:29.660]
no qual as poropressões iniciais

[00:17:31.687]
são calculadas no SEEP/W,

[00:17:34.030]
as tensões in situ são definidas no SIGMA/W

[00:17:36.390]
e a construção do aterro

[00:17:38.730]
segue a sequência mais lenta apresentada anteriormente.

[00:17:42.560]
Quando o aterro atinge sua altura máxima,

[00:17:45.650]
é realizada a fase de dissipação.

[00:17:48.870]
Em essência, isso é apenas uma análise de conciliação do SIGMA/W

[00:17:52.580]
na qual nenhuma carga extra é adicionada

[00:17:54.170]
e na qual permitimos que as pressões de água acessíveis

[00:17:57.290]
se dissipem com o passar do tempo.

[00:17:59.770]
Nesse caso, a dissipação pode prosseguir

[00:18:02.250]
durante 2.000 dias, que equivalem a aproximadamente cinco anos e pouco.

[00:18:07.550]
Finalmente, é realizada uma análise de estabilidade baseada em tensão

[00:18:11.060]
para verificar o fator de segurança exatamente após

[00:18:15.340]
os seis estágios de construção.

[00:18:20.440]
O aspecto final dessas simulações

[00:18:22.430]
que precisa ser discutido antes de entrarmos no GeoStudio

[00:18:25.080]
são as definições de material

[00:18:27.320]
ou as escolhas de leis constitutivas, se preferir.

[00:18:31.410]
Analisaremos essas opções para cada modelo do GeoStudio

[00:18:34.640]
em sua respectiva ordem de aparecimento.

[00:18:36.530]
na Analysis Tree (Árvore de análise).

[00:18:38.370]
Observe que ambos os aterros simulados

[00:18:40.500]
compartilhe exatamente as mesmas propriedades do solo.

[00:18:43.310]
Para a análise do SEEP/W,

[00:18:45.640]
o preenchimento do aterro é o modelo que usa um modelo apenas saturado

[00:18:49.030]
com grande condutividade hidráulica saturada

[00:18:52.360]
para promover a drenagem.

[00:18:54.380]
A argila macia também é modelada

[00:18:56.290]
usando o modelo apenas saturado

[00:18:58.090]
já que esperamos que esse material permaneça saturado

[00:19:00.590]
por toda a duração da análise.

[00:19:03.650]
Como você verá alguns minutos,

[00:19:05.000]
a crosta dessecada deve empregar

[00:19:06.720]
um modelo saturado/insaturado,

[00:19:09.050]
visto que o aquífero flutuará dentro dessa camada

[00:19:12.450]
durante a análise.

[00:19:15.681]
Para a análise do SIGMA/W, são usados materiais elásticos isotrópicos

[00:19:19.560]
tanto para o preenchimento do aterro

[00:19:21.560]
como para a crosta dessecada, porque esses são materiais bastante rígidos

[00:19:25.410]
e esperamos que a maioria das deformações

[00:19:27.310]
ocorra na argila macia subjacente.

[00:19:30.580]
A argila macia é modelada

[00:19:31.540]
usando o modelo de material de argila de came modificado.

[00:19:34.490]
Esse modelo constitutivo

[00:19:35.860]
é formulado com base na estrutura clássica de plástico elástico

[00:19:39.330]
e exibe comportamento de endurecimento ou amolecimento,

[00:19:42.280]
dependendo do estado das consolidações excessivas.

[00:19:45.560]
Solos com consolidação excessiva moderada a normalmente comprimidos,

[00:19:48.860]
portanto, exibem pressões de água acessíveis

[00:19:51.690]
devido à tendência de

[00:19:53.880]
treinamento em volumetria plástica e elástica,

[00:19:56.120]
que é um aspecto importante do comportamento da argila macia.

[00:20:00.470]
Finalmente, para a análise do SLOPE/W,

[00:20:03.010]
são usados modelos de materiais Mohr-Coulomb

[00:20:05.060]
para que os fatores de segurança possam ser calculados

[00:20:07.860]
com base na resistência disponível

[00:20:09.500]
definido pelos critérios de Mohr-Coulomb.

[00:20:14.860]
Estamos prontos

[00:20:15.693]
para a parte de demonstração deste webinar.

[00:20:18.610]
Vou abrir o GeoStudio

[00:20:20.700]
e apresentar o processo de definição e resolução

[00:20:23.600]
da análise de valores necessário

[00:20:25.150]
para estudar o exemplo de Cubzac-les-Ponts.

[00:20:30.410]
Estou no GeoStudio.

[00:20:32.750]
A primeira etapa para qualquer novo projeto é criar um novo arquivo.

[00:20:36.800]
Vamos escolher o modelo de carta métrica

[00:20:39.260]
e o nome da análise: Aterros de Cubzac-les-Ponts.

[00:20:44.180]
Vou adicionar uma primeira geometria em 2D ao projeto,

[00:20:49.070]
que será dedicada ao aterro A.

[00:20:52.090]
Como a geometria será compartilhada por meio da análise de valores,

[00:20:56.410]
posso defini-la antes mesmo de adicionar

[00:20:58.490]
qualquer análise específica ao projeto.

[00:21:01.760]
Para ter certeza de que estou rastreando corretamente as alterações que faço,

[00:21:04.700]
vou salvar o arquivo imediatamente.

[00:21:08.410]
Existem muitas maneiras de desenhar uma geometria no GeoStudio.

[00:21:11.790]
Já tenho uma pasta de trabalho do Excel

[00:21:13.520]
na qual as coordenadas dos pontos de geometria estão listadas.

[00:21:17.340]
Vou simplesmente copiar e colar as colunas X e Y

[00:21:19.860]
na janela de pontos definidos para poupar tempo.

[00:21:23.680]
Assim que isso for feito,

[00:21:25.350]
todos os pontos necessários para desenhar a geometria estarão disponíveis

[00:21:28.170]
para me ajudar a desenhar as regiões

[00:21:29.670]
que definirão os vários materiais

[00:21:31.330]
e destacarão a sequência de construção.

[00:21:34.290]
Ao clicar em Desenhar regiões,

[00:21:36.750]
eu posso desenhar facilmente a região inferior onde fica a argila macia.

[00:21:46.720]
Depois, a região superior onde está a crosta dessecada.

[00:21:49.990]
E, finalmente, cada um dos quatro desvios na vertical

[00:21:52.890]
usados para construir o aterro.

[00:21:56.590]
Aqui, é importante dividir o aterro

[00:21:58.840]
no número correto de desvios na vertical,

[00:22:00.850]
mesmo que eles compartilhem as mesmas propriedades de material

[00:22:03.900]
porque eles serão ativados ou construídos, se preferir,

[00:22:06.540]
em sequência.

[00:22:09.270]
Com a geometria definida,

[00:22:11.210]
posso ir em frente e adicionar uma análise de regime estável do SEEP/W

[00:22:14.840]
clicando em Projeto definido, Adicionar

[00:22:18.200]
e, finalmente, escolhendo a opção de regime estável

[00:22:20.810]
dentro da análise do SEEP/W.

[00:22:24.410]
Observe que eu poderia mudar o tipo de análise para transiente,

[00:22:28.170]
se quisesse fazer isso mais tarde, por meio deste menu.

[00:22:31.660]
Vou chamar essa análise de Poropressões iniciais.

[00:22:37.310]
Eu vou cuidar do mesh imediatamente.

[00:22:39.760]
clicando no botão de propriedades de mesh do tambor.

[00:22:43.030]
Posso alterar o layout do mesh para toda a análise

[00:22:45.690]
selecionando toda a geometria,

[00:22:48.330]
escolhendo editar as regiões selecionadas

[00:22:50.650]
e selecionando um padrão de mesh apropriado.

[00:22:54.030]
Elementos finitos em quadrantes e triângulos

[00:22:55.880]
geralmente são uma boa opção para a maioria dos casos de uso.

[00:22:59.550]
Na guia Elementos, aplicarei nós secundários

[00:23:02.720]
porque isso vai proporcionar maior precisão

[00:23:04.680]
depois para a análise do SIGMA/W.

[00:23:08.110]
Tenha em mente que, assim como para a geometria geral

[00:23:11.350]
desenhada, as prioridades da missão

[00:23:13.410]
também serão compartilhadas em toda a análise de elementos finitos

[00:23:17.600]
que usam uma geometria comum.

[00:23:20.375]
Em vista das dimensões da geometria,

[00:23:22.390]
vou especificar um tamanho de mesh de elemento finito global

[00:23:25.410]
de um metro.

[00:23:28.400]
Agora posso inspecionar o mesh

[00:23:29.710]
para ter certeza de que é apropriado.

[00:23:32.410]
Levando em conta a forma triangular do aterro,

[00:23:34.870]
eu poderia decidir aplicar elementos triangulares

[00:23:37.410]
somente para essa parte da geometria.

[00:23:40.490]
Agora, estou feliz com a aparência do mesh.

[00:23:44.480]
Como mencionei anteriormente,

[00:23:45.670]
ao discutir o processo de modelagem numérica,

[00:23:48.470]
depois que a geometria simples tiver sido definida,

[00:23:51.380]
rotulada, previamente conceitualizada

[00:23:53.940]
e as forças físicas adequadas tiverem sido escolhidas, neste caso,

[00:23:57.450]
como análise de infiltração no regime estável,

[00:24:00.020]
devo escolher e definir as leis constitutivas apropriadas

[00:24:04.860]
para o problema em questão.

[00:24:07.020]
Para isso, vou usar o menu Definir e escolher os materiais.

[00:24:12.320]
Primeiro, vou definir as propriedades do material

[00:24:14.150]
para a crosta dessecada.

[00:24:16.400]
A zona da análise vai apresentar fluxo

[00:24:19.670]
saturado e insaturado,

[00:24:21.460]
à medida que a superfície livre do ático passar por ela.

[00:24:24.220]
E a água vai escoar por ela

[00:24:26.560]
à medida que a argila subjacente se consolidar

[00:24:28.810]
por causa do peso adicionado pela construção do aterro.

[00:24:32.820]
Por esses motivos, usaremos aqui um modelo de material

[00:24:36.230]
saturado/insaturado.

[00:24:39.190]
Esse modelo específico exige duas funções de dados de entrada

[00:24:42.050]
para calcular o fluxo de água, o conteúdo volumétrico de água

[00:24:46.200]
e a função de condutividade hidráulica.

[00:24:49.950]
Ambos os parâmetros variam

[00:24:51.410]
em função da sucção da matriz que se desenvolve no solo

[00:24:54.610]
à medida que o fluxo insaturado se instala.

[00:24:58.300]
Ao clicar nas reticências à direita,

[00:25:00.820]
posso definir cada uma dessas funções.

[00:25:03.690]
Vou adicionar uma nova função e usar uma função de ponto de dados,

[00:25:08.000]
o que me permite fazer a estimativa

[00:25:09.370]
da função de conteúdo volumétrico de água

[00:25:12.193]
usando funções simples incorporadas ao SEEP/W.

[00:25:16.330]
No caso dessa crosta dessecada,

[00:25:18.780]
o conteúdo de água saturada é de 0,3

[00:25:22.072]
e o material é classificado como uma argila siltosa.

[00:25:26.400]
Ao clicar em Editar pontos de dados,

[00:25:28.600]
posso ver a função no espaço semilogarítmico

[00:25:31.180]
e inspecionar como o conteúdo volumétrico de água

[00:25:33.840]
vai variar em função da sucção da matriz.

[00:25:37.470]
À medida que a sucção aumenta, a água é retirada do solo

[00:25:41.690]
e o conteúdo volumétrico de água diminui.

[00:25:45.230]
Estou satisfeito com essa função e vou chamá-la de Crosta.

[00:25:49.430]
Finalmente, escolho esta função recentemente definida

[00:25:52.480]
por meio do menu suspenso.

[00:25:56.160]
De forma semelhante,

[00:25:57.700]
não vou criar uma função de condutividade hidráulica

[00:26:00.710]
ao clicar nas reticências à direita

[00:26:02.970]
e escolher um tipo de função de ponto de dados.

[00:26:06.360]
Novamente, clicando na estimativa,

[00:26:08.310]
posso usar as funções de estimativa do SEEP/W,

[00:26:11.400]
que são bastante úteis,

[00:26:16.225]
visto que nem sempre temos acesso

[00:26:17.790]
a testes laboratoriais adequados para definir essas funções de dados de entrada.

[00:26:22.290]
Nesse caso, vou usar o método de Van Genuchten

[00:26:25.300]
associado à função de conteúdo volumétrico de água

[00:26:28.500]
que acabamos de definir.

[00:26:30.610]
No caso da crosta, uma condutividade hidráulica saturada

[00:26:34.530]
de 0,008 metro por dia é sugerida

[00:26:38.990]
pelos autores originais do estudo de Cubzac-les-Ponts.

[00:26:43.210]
O conteúdo de água residual é de 0,05

[00:26:46.617]
e uma sucção máxima de 100 kPa é suficiente aqui,

[00:26:50.870]
em vista da pequena escala da geometria.

[00:26:54.400]
A inspeção da função de condutividade hidráulica gerada

[00:26:58.730]
revela que, à medida que a sucção métrica aumenta,

[00:27:02.980]
a condutividade hidráulica diminui,

[00:27:05.180]
que é o que desejávamos.

[00:27:07.770]
Estou satisfeito com essa função e vou chamá-la de Crosta.

[00:27:10.670]
E, por fim, escolho essa função recentemente definida

[00:27:13.530]
por meio do menu suspenso.

[00:27:15.930]
Com isso, a definição do modelo de material

[00:27:17.440]
para a crosta dessecada está concluída.

[00:27:21.680]
Vou adicionar outro material,

[00:27:23.830]
desta vez definindo a argila macia subjacente.

[00:27:27.400]
Como mencionado antes, já que esperamos que essa camada

[00:27:29.960]
permaneça totalmente saturada durante toda a análise,

[00:27:33.120]
podemos usar apenas o modelo materno simples saturado.

[00:27:37.540]
A condutividade hidráulica saturada

[00:27:39.560]
está definido em 0,001 metro por dia.

[00:27:44.840]
E o conteúdo volumétrico de água saturada associado

[00:27:48.230]
é de 0,3.

[00:27:51.440]
Por fim, o material de preenchimento de aterro

[00:27:53.730]
também é enviado usando somente um modelo de material saturado

[00:27:56.930]
para simplificar.

[00:27:58.620]
Usamos uma condutividade hidráulica saturada muito alta

[00:28:01.180]
de um metro por dia para promover a drenagem rápida

[00:28:03.680]
para as partes inferiores da análise.

[00:28:07.320]
O conteúdo volumétrico de água saturada é de 0,4.

[00:28:12.070]
Agora que todos os materiais foram definidos,

[00:28:15.030]
posso desenhá-los sobre as várias regiões da geometria,

[00:28:18.040]
começando pela parte inferior até a argila macia e,

[00:28:20.750]
então, para a crosta dessecada.

[00:28:23.670]
Observe aqui que ainda não vou atribuir o material de preenchimento,

[00:28:26.800]
porque o objetivo desta primeira análise

[00:28:28.790]
é simplesmente estabelecer as condições hidráulicas no solo

[00:28:32.400]
antes de iniciar a construção do aterro.

[00:28:37.920]
A última etapa a realizar

[00:28:39.110]
antes de podermos passar a solução da análise

[00:28:41.500]
é definir condições de limite apropriadas.

[00:28:44.610]
Nesse caso,

[00:28:45.443]
As condições de limite são muito simples,

[00:28:47.500]
visto que o nível piezométrico foi medido

[00:28:49.690]
a oito metros de elevação em todo o local.

[00:28:53.520]
Para representar isso, eu acesso o menu Definir

[00:28:56.230]
e escolho Condições de limite.

[00:28:58.530]
Vou adicionar uma nova condição de limite hidráulico,

[00:29:01.640]
escolher o tipo de carga total de água

[00:29:04.950]
e defini-lo como elevação constante de carga de oito metros.

[00:29:10.060]
Posso então dar um nome a essa nova condição de limite

[00:29:12.150]
e atribuir a ela uma cor fácil de dois pontos.

[00:29:24.040]
Depois que a condição de limite é criada,

[00:29:26.070]
posso clicar em Desenhar condições de limite

[00:29:28.700]
ou usar o menu suspenso

[00:29:30.890]
para aplicá-la à base da geometria.

[00:29:33.640]
Isso significa que uma carga total de oito metros

[00:29:36.410]
será aplicada a cada um dos pontos

[00:29:38.230]
na parte inferior da análise.

[00:29:40.770]
Quando os cálculos forem lançados,

[00:29:43.400]
o SEEP/W vai calcular as poropressões correspondentes

[00:29:46.820]
em todos os lugares no domínio

[00:29:47.860]
para atender à condição de limite de suprimento.

[00:29:52.220]
Agora estamos prontos para resolver a análise.

[00:29:55.550]
Clique em Iniciar para salvar automaticamente o arquivo

[00:29:59.250]
e iniciar os cálculos.

[00:30:01.450]
Depois que a análise for marcada como resolvida,

[00:30:04.250]
vou poder mudar para a visualização dos resultados

[00:30:06.090]
e inspecionar os resultados calculados.

[00:30:08.230]
Essa é a etapa importantíssima de verificação que

[00:30:10.850]
mencionei antes.

[00:30:14.260]
Ao clicar em Desenhar isossuperfície,

[00:30:16.060]
eu posso desenhar uma linha contínua

[00:30:17.780]
indicando onde a pressão da água de zero kPa

[00:30:21.950]
está no domínio.

[00:30:23.480]
Essa é uma maneira fácil

[00:30:24.470]
de ver onde o aquífero está posicionado.

[00:30:27.550]
Nesse caso, como desejamos,

[00:30:29.900]
a superfície livre do ático está localizada na crosta dessecada.

[00:30:34.770]
Usando o menu suspenso de curvas de nível,

[00:30:36.740]
posso selecionar o tipo de contador da carga de pressão

[00:30:39.010]
para visualizar a pressão da água em todo o domínio.

[00:30:42.700]
E, selecionando Desenhar rótulos de curva de nível,

[00:30:44.930]
posso clicar em várias linhas de curva de nível

[00:30:47.760]
para inspecionar os valores da pressão da água no domínio.

[00:30:51.310]
No nosso caso, a pressão da água é indicada atualmente

[00:30:54.580]
como de oito metros de altura na base da análise.

[00:30:57.840]
Nossa análise no SEEP/W representa corretamente

[00:31:00.560]
as condições iniciais da água que queríamos definir.

[00:31:03.930]
Podemos passar para as outras partes da análise.

[00:31:08.520]
A próxima parte do fluxo de trabalho será adicionar

[00:31:11.010]
a análise do SIGMA/W para simular a construção

[00:31:14.270]
de cada desvio na vertical de aterro.

[00:31:16.620]
Mas antes que qualquer desvio na vertical possa ser adicionado

[00:31:18.400]
em cima do depósito de solo existente,

[00:31:20.970]
as tensões iniciais devem ser definidas dentro do domínio.

[00:31:24.900]
Para fazer isso, voltamos para a visualização de definição,

[00:31:27.910]
clicamos em Definir projeto

[00:31:29.950]
e adicionamos uma análise in situ do SIGMA/W.

[00:31:33.780]
Selecionando inicialmente a análise do SEEP/W precedente,

[00:31:37.460]
ao adicionar a próxima análise,

[00:31:39.420]
eu garanto que a análise subsequente seja criada

[00:31:42.340]
como filho do pai no SEEP/W.

[00:31:45.640]
Você pode inspecionar isso simplesmente percebendo a forma em L

[00:31:50.720]
que coloca a análise do SIGMA/W recentemente adicionada abaixo

[00:31:53.733]
da análise do SEEP/W.

[00:31:57.130]
Você também pode ver que a

[00:31:58.710]
análise inicial das poropressões

[00:32:01.000]
é indicado como pai para a análise in situ aqui,

[00:32:04.840]
logo abaixo do nome da análise.

[00:32:08.620]
Para a análise in situ,

[00:32:10.290]
usaremos um método de ativação gravimétrico

[00:32:12.490]
no qual as forças gravimétricas puxarão para baixo nos nós

[00:32:17.050]
e as reações horizontais apropriadas serão calculadas

[00:32:20.080]
com base nas condições de limite que definiremos.

[00:32:24.280]
O campo abaixo indica que

[00:32:25.900]
as condições de poropressão para a análise

[00:32:28.400]
serão herdadas dos pais, ou seja, da análise do SEEP/W,

[00:32:31.980]
exatamente como queríamos.

[00:32:35.200]
Observe aqui como os materiais

[00:32:37.320]
que foram previamente definidos no SEEP/W já existem

[00:32:40.960]
no SIGMA/W, mas as cores associadas são ótimas.

[00:32:45.130]
Isso indica que os materiais

[00:32:46.760]
atualmente não estão definidos corretamente

[00:32:48.860]
para a análise que queremos realizar.

[00:32:51.810]
Ao clicar em Definir materiais,

[00:32:53.920]
agora posso editar esses materiais no SIGMA/W

[00:32:57.300]
e escolher as leis constitutivas apropriadas para cada um.

[00:33:01.360]
Como mencionado anteriormente, tanto a crosta dessecada

[00:33:03.897]
como os materiais de preenchimento usarão um modelo elástico isotrópico.

[00:33:08.840]
Começando com a crosta dessecada,

[00:33:10.900]
devo inserir valores apropriados em cada campo

[00:33:13.710]
para garantir que o modelo esteja definido corretamente.

[00:33:16.920]
Seguindo as indicações dos autores do estudo,

[00:33:20.020]
o peso unitário é definido em 16,5 quilonewtons

[00:33:23.530]
por metro quadrado.

[00:33:25.200]
Os modelos elásticos efetivos são supostamente constantes

[00:33:28.840]
a 3000 kPa.

[00:33:30.630]
E a proporção de Poisson efetiva é definida como 0,4.

[00:33:35.210]
O tipo de resposta para esse material é a deformação,

[00:33:37.650]
já que o excesso de poropressão

[00:33:39.380]
não deveria se acumular nessa camada do local.

[00:33:43.300]
Não queríamos rastrear mudanças vazias na proporção

[00:33:45.730]
para este material para podermos deixá-los

[00:33:48.610]
no padrão de 0,5,

[00:33:51.882]
o que não terá influência na resposta dos solos

[00:33:54.170]
em vista do modelo elástico isotrópico usado.

[00:33:58.200]
Da mesma forma, para o preenchimento de aterro os valores representativos

[00:34:02.720]
são escolhidos para cada campo obrigatório

[00:34:04.750]
do modelo elástico isotrópico.

[00:34:07.640]
Observe o valor mais alto do peso unitário usado aqui

[00:34:10.100]
(21 quilonewtons por metro quadrado),

[00:34:12.670]
que é típico de materiais de preenchimento.

[00:34:16.310]
Finalmente, o material de argila macia

[00:34:18.310]
usará o modelo de argila de came modificado.

[00:34:20.590]
Para esse modelo, a proporção vazia desempenha um papel importante

[00:34:24.100]
e deve ser ajustada adequadamente.

[00:34:26.950]
Com base na publicação do autor,

[00:34:28.940]
um valor representativo de 2,25

[00:34:31.560]
é escolhido para todo o depósito de argila.

[00:34:35.010]
No local, a argila foi considerada ligeiramente consolidada demais.

[00:34:38.460]
Portanto, uma taxa de consolidação de 1,4 foi usada.

[00:34:44.230]
Os parâmetros de rigidez para o modelo de argila de came modificado

[00:34:47.200]
exigiu o uso dos parâmetros lambda e kappa,

[00:34:51.600]
que representam a inclinação das linhas normalmente consolidada

[00:34:54.380]
e de ricochete

[00:34:55.860]
em um teste de desconsolidação, respectivamente.

[00:34:59.800]
Para a argila em Cubzac-les-Ponts,

[00:35:02.550]
os seguintes valores são representativos.

[00:35:05.830]
Uma proporção de Poisson efetiva de 0,4 é usada novamente aqui.

[00:35:10.340]
O ângulo de atrito da argila é ajustado em 30 graus,

[00:35:13.720]
que correspondem a uma taxa de tensão crítica de 1,2

[00:35:17.490]
em compressão.

[00:35:19.850]
Finalmente, o tipo de resposta será drenado

[00:35:22.970]
para esse modelo de material, já que estamos interessados

[00:35:25.310]
no monitoramento do efeito do acúmulo excessivo de poropressão

[00:35:28.730]
no depósito de argila

[00:35:30.410]
enquanto o aterro está sendo construído.

[00:35:34.250]
A última etapa a ser executada antes de resolver a análise

[00:35:36.810]
é aplicar condições de limite adequadas ao modelo.

[00:35:40.430]
No SIGMA/W, essas condições de limite

[00:35:42.800]
geralmente assumem duas formas distintas:

[00:35:44.650]
condições de limite de tensão ou força

[00:35:47.100]
e condições de limite de deslocamento.

[00:35:49.910]
Para este estudo específico,

[00:35:51.220]
não há tensão ou forças a aplicar no domínio.

[00:35:55.440]
No entanto, precisamos restringir as formações

[00:35:58.170]
em alguma parte do domínio,

[00:35:59.490]
o que corresponde às condições de limite de deslocamento.

[00:36:03.640]
Mais especificamente,

[00:36:04.480]
queremos evitar deslocamentos dos nós

[00:36:06.780]
localizado na aresta da geometria

[00:36:09.090]
para que não balancem para os lados depois que a gravidade for aplicada

[00:36:12.920]
ou quando o aterro for construído.

[00:36:16.300]
Da mesma forma, queremos evitar o deslocamento do nó

[00:36:19.110]
localizado na parte inferior da geometria

[00:36:20.810]
para que a gravidade tenha algo para empurrar

[00:36:23.750]
quando ativada.

[00:36:26.910]
Caso contrário, quando ligarmos a gravidade,

[00:36:30.070]
a geometria inteira deslizaria para baixo

[00:36:32.110]
em direção à parte inferior da tela.

[00:36:36.400]
Para aplicar essas condições de limite de deslocamento,

[00:36:38.740]
vou clicar no botão Desenhar condições de limite

[00:36:41.530]
e atribuir um X fixo às arestas da análise.

[00:36:46.890]
Uma condição de limite X fixa

[00:36:48.510]
é simplesmente uma condição de limite de deslocamento

[00:36:50.700]
que afirma que o deslocamento na direção X

[00:36:53.560]
deve permanecer em zero por cada nó longo,

[00:36:56.290]
que é a condição de limite aplicada.

[00:36:59.550]
A seleção dos nós na aresta da geometria

[00:37:02.240]
aplicará a condição de limite escolhida.

[00:37:05.890]
Da mesma forma, aplicarei uma condição de limite XY fixa

[00:37:09.430]
à parte inferior da geometria.

[00:37:11.720]
Desta vez, suportes em ambas as direções são desenhados nos nós,

[00:37:16.940]
indicando que os deslocamentos serão permitidos

[00:37:19.240]
em ambas as direções durante a simulação,

[00:37:21.800]
como nós exigimos.

[00:37:23.480]
Agora, provavelmente já definimos as condições de limite

[00:37:26.400]
para a análise in situ do SIGMA/W

[00:37:28.567]
e estamos prontos para resolver a análise.

[00:37:32.470]
Na janela Gerenciador de soluções,

[00:37:34.800]
posso realizar a análise inicial do SEEP/W

[00:37:37.810]
porque não quero resolvê-la novamente.

[00:37:40.280]
Depois de clicar em Resolver, a gravidade é aplicada aos nós

[00:37:43.670]
e as tensões resultantes são calculadas.

[00:37:47.110]
Assim que os cálculos são concluídos,

[00:37:49.230]
posso mudar para a Visualização de resultados e inspecionar os resultados.

[00:37:53.380]
Eu posso desenhar curvas de nível da tensão vertical total

[00:37:56.400]
para visualizar a distribuição da tensão.

[00:37:58.990]
Também posso gerar um gráfico da tensão vertical total,

[00:38:01.640]
da tensão vertical efetiva e da poropressão

[00:38:05.270]
em uma linha vertical desenhada

[00:38:06.630]
a partir dos dois futuros aterros.

[00:38:32.470]
Posso visualizar esses três componentes de tensão juntos,

[00:38:35.590]
por turno ou definidos pelo gráfico.

[00:38:40.620]
Podemos ver aqui que a sucção se desenvolve

[00:38:42.490]
no primeiro metro da crosta dessecada,

[00:38:44.830]
o que aumenta a tensão vertical efetiva

[00:38:47.440]
em comparação com a tensão vertical total.

[00:38:50.920]
Para mim, esses resultados são satisfatórios,

[00:38:52.550]
então, posso continuar construindo o aterro.

[00:38:57.130]
Como mostrei anteriormente,

[00:38:58.610]
o primeiro desvio na vertical de aterro foi construído

[00:39:00.790]
e deixado no lugar por quatro dias

[00:39:02.450]
antes que outro desvio na vertical fosse adicionado.

[00:39:05.550]
Durante esses quatro dias, a pressão da água acessível

[00:39:08.140]
que se desenvolveu instantaneamente no depósito de argila macia

[00:39:11.430]
foi deixada se consolidar.

[00:39:13.410]
Para simular esse comportamento,

[00:39:14.830]
vou adicionar uma análise de consolidação do SIGMA/W

[00:39:17.970]
na Analysis Tree (Árvore de análise).

[00:39:20.570]
Vou voltar para a visualização de definição

[00:39:22.540]
e clicar em Definir projeto.

[00:39:25.030]
Depois que a análise in situ for selecionada,

[00:39:27.440]
vou entrar em Adicionar

[00:39:28.960]
e escolher uma análise de consolidação do SIGMA/W.

[00:39:32.810]
Ao selecionar a análise in situ

[00:39:35.010]
antes de adicionar essa nova análise,

[00:39:38.080]
eu me certifiquei de que a análise de consolidação

[00:39:40.150]
foi filho do pai in situ.

[00:39:52.270]
Observe que a tensão inicial e a poropressão

[00:39:55.120]
virão da análise do pai,

[00:39:57.130]
como indicado por este menu suspenso.

[00:40:00.920]
E vamos nos certificar de que as caixas de seleção de variáveis de deslocamento de reinicialização,

[00:40:04.220]
deformações e estado de redefinição estejam marcadas

[00:40:07.350]
porque eu quero descartar qualquer deformação

[00:40:09.850]
que possa ter surgido durante a análise in situ.

[00:40:13.970]
Essas deformações ocorreram na história geológica

[00:40:16.730]
do depósito do solo.

[00:40:18.160]
Elas já aconteceram

[00:40:19.510]
antes do início da construção do aterro.

[00:40:21.650]
Então, não quero levá-las em conta daqui por diante.

[00:40:26.330]
Em seguida, acesso a guia Hora

[00:40:28.600]
e ajusto a duração para quatro dias

[00:40:30.780]
a fim de refletir a sequência de construção.

[00:40:33.490]
Também ajustarei o número de etapas de cálculo para quatro

[00:40:36.200]
de modo a registrar o comportamento todos os dias.

[00:40:40.770]
Vou adicionar o primeiro desvio na vertical do aterro

[00:40:43.260]
acessando Desenhar materiais

[00:40:45.680]
e simplesmente aplicando o material de preenchimento

[00:40:48.430]
à primeira região de desvio na vertical.

[00:40:50.680]
Ao resolver a análise,

[00:40:52.347]
o peso dos materiais será ativado

[00:40:54.620]
e a resposta adequada à poropressão

[00:40:57.010]
será gerada na argila macia de drenagem.

[00:41:01.480]
Você notará que as condições de limite do

[00:41:03.380]
deslocamento fixo que existiam no pai,

[00:41:06.020]
ou seja, na análise in situ, já existem nesta nova análise.

[00:41:10.620]
Isso ocorre especificamente

[00:41:12.100]
por causa do relacionamento pai/filho

[00:41:14.270]
entre essas duas análises.

[00:41:17.430]
Eu poderia, porém, mudar as condições de limite

[00:41:19.700]
no filho e nos índices

[00:41:20.920]
sem afetar o pai, se necessário.

[00:41:24.200]
E, de fato, é isso que eu vou fazer aqui.

[00:41:27.150]
Vou adicionar uma condição de limite do tipo de drenagem

[00:41:30.610]
para promover a drenagem em direção à superfície

[00:41:32.860]
na junção da crosta dessecada com o aterro.

[00:41:36.990]
Dessa forma, o excesso de poropressões

[00:41:39.410]
que se desenvolvem na argila macia

[00:41:41.200]
será capaz de migrar para a superfície.

[00:41:45.130]
Também vou adicionar de volta os oito metros

[00:41:48.440]
da condição de limite da carga total para a parte inferior da análise,

[00:41:51.570]
porque essa condição ainda será verdadeira

[00:41:54.290]
durante toda a duração da sequência de construção.

[00:41:59.210]
Agora que os materiais foram aplicados

[00:42:00.810]
e as condições de limite foram devidamente ajustadas,

[00:42:03.760]
posso resolver a análise.

[00:42:06.050]
Quando os cálculos terminarem, posso entrar em Visualizar resultados

[00:42:09.480]
e inspecionar os resultados.

[00:42:12.170]
Geração de gráficos de curvas de nível de poropressão

[00:42:14.230]
destaca como as pressões de água acessíveis se desenvolveram

[00:42:17.390]
depois que o primeiro aterro com desvio na vertical é aplicado

[00:42:19.670]
sobre a argila dessecada.

[00:42:22.640]
Navegando pelas etapas de cálculo

[00:42:24.720]
na janela de etapas,

[00:42:26.500]
posso primeiro selecionar a visualização da poropressão

[00:42:29.370]
antes de o primeiro desvio na vertical ser adicionado.

[00:42:31.150]
Depois, posso definir alguns dias seguintes

[00:42:32.710]
para ver a pressão da água acessível.

[00:42:36.140]
A geração de gráficos de poropressões

[00:42:37.490]
e a seleção múltipla de todas as etapas de cálculos

[00:42:40.120]
também mostram claramente que a poropressão aumentou.

[00:42:43.490]
A linha vermelha indica a poropressão inicial.

[00:42:47.750]
Se fosse permitido que o tempo tendesse ao infinito,

[00:42:50.470]
o perfil de poropressão

[00:42:52.050]
cairia na linha vermelha

[00:42:53.600]
e essas poropressões dissipadas

[00:42:55.710]
se traduziriam em deformações de consolidação;

[00:42:58.980]
mas em vez de permitir que a poropressão

[00:43:01.200]
se dissipe ainda mais,

[00:43:02.740]
outro desvio na vertical do aterro será adicionado

[00:43:05.140]
no quinto dia de construção.

[00:43:08.980]
Para adicionar o segundo desvio na vertical,

[00:43:10.660]
vou proceder exatamente como fiz no primeiro:

[00:43:13.340]
retorno à visualização de definição, clico em Definir projeto

[00:43:17.250]
e adiciono uma análise de consolidação do SIGMA/W

[00:43:20.380]
como filho da primeira fase de construção.

[00:43:24.320]
Desta vez, não quero marcar as caixas de seleção das variáveis de

[00:43:27.670]
deslocamento de redefinição, deformações e estado de redefinição,

[00:43:30.830]
porque quero continuar levando em conta

[00:43:32.260]
as deformações adicionadas produzidas pela sequência de construção.

[00:43:38.210]
Na guia Hora, vou ajustar a duração para dois dias

[00:43:42.530]
e várias etapas para duas,

[00:43:44.060]
a fim de refletir adequadamente a sequência de construção.

[00:43:47.460]
Como você deve se lembrar, o segundo desvio na vertical do aterro foi adicionado

[00:43:50.440]
e mantido no local por dois dias

[00:43:52.070]
antes de o terceiro desvio na vertical ser colocado.

[00:43:55.930]
Ao entrar em Desenhar materiais, posso adicionar o segundo desvio na vertical.

[00:44:01.230]
As condições de limite permanecem exatamente as mesmas de antes

[00:44:04.110]
para esta análise, porque estamos simplesmente adicionando mais peso

[00:44:07.600]
ao aterro.

[00:44:09.800]
Posso ir em frente, resolver essa análise

[00:44:12.480]
e inspecionar as pressões adicionais de água acessível

[00:44:14.960]
que foram geradas à medida que esse novo desvio na vertical foi colocado

[00:44:18.460]
sobre o primeiro.

[00:44:35.240]
Vou seguir em frente e adicionar rapidamente o terceiro e o quarto desvios na vertical

[00:44:38.150]
ao aterro usando exatamente o mesmo procedimento.

[00:44:41.310]
Ambos os desvios na vertical foram construídos em um único dia

[00:44:44.240]
antes de o próximo desvio na vertical ser colocado.

[00:45:12.520]
Inspecionando os resultados após a construção do quarto desvio na vertical,

[00:45:16.240]
vemos como o excesso de poropressões

[00:45:18.770]
continuou a se acumular na camada de argila macia.

[00:45:22.320]
Ao gerar o gráfico do perfil de tensão vertical efetivo,

[00:45:24.610]
podemos ver como as tensões efetivas estão sendo reduzidas

[00:45:27.540]
pelo aumento do excesso de poropressão.

[00:45:32.470]
Isso afetará a resistência ao cisalhamento que pode ser mobilizada

[00:45:36.030]
e resultará na geração de grandes deformações.

[00:45:40.100]
Vejamos isso agora mesmo.

[00:45:42.740]
Começarei gerando o gráfico o recalque de superfície

[00:45:45.570]
que corresponde ao deslocamento vertical

[00:45:48.540]
na direção Y ao longo do aterro

[00:45:51.800]
na parte superior da camada de crosta dessecada.

[00:45:55.780]
Como esperado, os recalques são menores

[00:45:58.120]
no lado esquerdo do aterro,

[00:46:00.740]
porque a altura é menor.

[00:46:03.410]
E, em direção ao meio, os recalques atingem 80,5 centímetros.

[00:46:09.870]
Outro gráfico de deformação interessante de analisar

[00:46:12.360]
é o deslocamento lateral na broca do aterro.

[00:46:21.570]
A broca do aterro em si se moveu para a direita

[00:46:24.730]
mais de 17 centímetros.

[00:46:38.770]
Outra forma de avaliar essas deformações

[00:46:40.740]
é sobrepor vetores de deslocamento XY

[00:46:43.650]
por cima da geometria.

[00:46:45.890]
Para isso, clico no botão Desenhar vetores

[00:46:49.200]
e alterno os vetores de deslocamento XY.

[00:46:54.820]
Agora podemos ver como todo o lado direito do aterro

[00:46:57.810]
se deforma em um movimento circular em direção ao lado direito.

[00:47:02.030]
Vendo esse padrão de deformação,

[00:47:04.350]
alguém pode se perguntar se a estabilidade do aterro

[00:47:06.660]
está comprometido no momento.

[00:47:09.220]
Para verificar isso, vamos adicionar uma análise de estabilidade do SLOPE/W

[00:47:13.560]
a essa árvore de análise.

[00:47:16.730]
Como antes, para adicionar essa nova análise,

[00:47:20.140]
vou voltar para a visualização de definições

[00:47:21.930]
e clicar no botão Definir projeto.

[00:47:24.530]
Vou adicionar uma análise de tensão do SLOPE/W, SIGMA/W.

[00:47:29.010]
Esse tipo de análise usará as tensões

[00:47:31.380]
repassadas pela análise do pai feita pelo SIGMA/W

[00:47:34.320]
e realizar análises de estabilidade com base nessas tensões.

[00:47:38.700]
Comparado com um equilíbrio de limite tradicional do SLOPE/W,

[00:47:42.440]
a análise da estabilidade de taludes dos elementos finitos

[00:47:44.650]
não precisa iterar para encontrar tensões na vida útil,

[00:47:47.610]
o que garantirá que o fator de segurança

[00:47:50.324]
seja o mesmo em todos os cortes.

[00:47:52.020]
Em vez disso, como as tensões são conhecidas,

[00:47:54.510]
a resistência é comparada diretamente com a subestação

[00:47:57.520]
e o fator de segurança é calculado localmente em cada corte.

[00:48:02.400]
O fator de segurança geral para uma superfície de ruptura

[00:48:04.820]
é determinado pela integração da resistência ao cisalhamento

[00:48:07.660]
e cisalhamento mobilizado ao longo de toda a superfície de ruptura.

[00:48:12.030]
A direção do deslocamento da superfície de ruptura

[00:48:13.820]
será da esquerda para a direita,

[00:48:15.010]
e eu vou usar o método de entrada e saída

[00:48:17.130]
para gerar as superfícies de ruptura de ensaios.

[00:48:20.320]
Também vou ativar a opção de otimização da superfície de ruptura.

[00:48:26.310]
Ao definirmos a análise de estabilidade de taludes,

[00:48:28.660]
observe como os materiais agora estão acinzentados.

[00:48:32.150]
Isso, novamente, indica que nossos materiais

[00:48:33.910]
não estão devidamente definidos para a análise.

[00:48:37.250]
Ao entrar em Definir materiais,

[00:48:39.090]
não vejo nenhum modelo de resistência sendo usado atualmente.

[00:48:43.120]
Os modelos de materiais do SIGMA/W são diferentes

[00:48:45.430]
do que precisamos para análise de estabilidade.

[00:48:48.170]
Portanto, preciso me certificar de definir corretamente os materiais

[00:48:50.610]
aqui de novo.

[00:48:52.990]
Para todo o material que temos,

[00:48:56.090]
usaremos um modelo de materiais Mohr-Coulomb.

[00:48:59.280]
A argila macia usará a equação de zero kPa

[00:49:02.090]
e um ângulo de atrito de 30 graus.

[00:49:05.380]
E observe que o peso unitário já estava definido aqui

[00:49:07.860]
porque o tínhamos definido anteriormente na análise do SIGMA/W.

[00:49:12.970]
O campo do aterro usará coesão zero

[00:49:15.520]
e um ângulo de atrito de 35 graus.

[00:49:18.283]
E, finalmente, a crosta dessecada

[00:49:20.607]
usará coesão zero,

[00:49:22.320]
bem como um ângulo de atrito de 30 graus.

[00:49:26.590]
Antes de resolver a análise,

[00:49:28.400]
preciso definir onde serão os pontos de

[00:49:31.030]
entrada e saída da superfície de ruptura.

[00:49:40.720]
Esse layout que acabei de desenhar produzirá 10 incrementos

[00:49:44.050]
dos pontos de entrada e saída, bem como 10 raios

[00:49:47.940]
a serem estudados para cada par de pontos de entrada e saída.

[00:49:58.710]
Depois que eu apertar o botão Iniciar,

[00:50:00.690]
todas as superfícies de ruptura de ensaios serão analisadas

[00:50:02.950]
e uma superfície de ruptura crítica será mostrada.

[00:50:06.130]
A superfície de ruptura atinge a camada de argila macia

[00:50:09.300]
onde o excesso de poropressão havia se acumulado

[00:50:11.400]
durante a construção do aterro.

[00:50:14.710]
O fator mínimo de segurança é calculado como 1,09.

[00:50:20.110]
E a partir dessa superfície de ruptura, o SLOPE/W calculou

[00:50:22.950]
e otimizou a superfície de ruptura,

[00:50:25.230]
onde o fator de segurança diminuiu ainda mais para 1,03,

[00:50:31.460]
ao otimizar a geometria da superfície de ruptura.

[00:50:36.790]
Nessa fase da sequência de construção do aterro,

[00:50:40.350]
a estabilidade é marginal.

[00:50:42.360]
Isso reflete corretamente a situação descrita

[00:50:44.720]
no estudo de caso,

[00:50:45.990]
já que o aterro falhou no nono dia de construção.

[00:50:51.060]
Ao gerar o gráfico da resistência ao cisalhamento e do cisalhamento mobilizado

[00:50:53.930]
ao longo da superfície de ruptura, eu posso ver como ambos variam.

[00:51:03.710]
Para os cortes localizados

[00:51:05.110]
em direção ao topo do aterro,

[00:51:07.250]
sua cisalhamento mobilizado é geralmente maior do que a resistência

[00:51:10.550]
e o inverso é verdade em direção à broca do aterro.

[00:51:14.460]
Esse tipo de gráfico mostra perfeitamente onde a resistência é muito baixa

[00:51:17.530]
ao longo da superfície de ruptura.

[00:51:21.430]
Isso conclui a análise

[00:51:22.690]
da primeira geometria do aterro.

[00:51:25.220]
Esse aterro foi construído rapidamente

[00:51:27.090]
para que falhasse.

[00:51:29.660]
Vimos que o excesso de poropressão

[00:51:31.700]
que se desenvolveu na camada de argila macia

[00:51:33.510]
durante a construção do aterro foi suficiente

[00:51:35.890]
para aproximar o fator geral de segurança de 1,

[00:51:38.820]
indicando que a estabilidade era marginal.

[00:51:45.090]
O segundo aterro foi construído mais lentamente

[00:51:47.830]
e com altura menor do que o aterro A.

[00:51:51.500]
Como a geometria do segundo aterro é diferente,

[00:51:54.720]
precisarei criar uma geometria distinta.

[00:51:58.370]
Eu posso fazer isso dentro do mesmo arquivo

[00:52:00.400]
para manter as duas análises juntas

[00:52:02.280]
e usar facilmente os mesmos materiais e condições de limite

[00:52:05.040]
que já defini.

[00:52:08.100]
Para a nova geometria, vou abrir a visualização de definição,

[00:52:12.727]
clicar em Definir projeto,

[00:52:15.000]
selecionar o primeiro elemento da hierarquia geral

[00:52:17.570]
e adicionar a geometria em 2D.

[00:52:20.450]
Vamos chamar isso de um aterro B.

[00:52:23.850]
Semelhante a como trabalhei na geometria do primeiro aterro,

[00:52:27.510]
vou entrar em pontos definidos para colar os pontos de geometria

[00:52:31.520]
que já tinha em mãos em um arquivo do Excel.

[00:52:35.440]
Vou finalizar a definição da geometria desenhando as regiões

[00:52:38.370]
correspondentes aos materiais que serão usados posteriormente.

[00:52:43.050]
Observe aqui, como vimos anteriormente,

[00:52:45.300]
que aproveitamos a simetria da geometria

[00:52:47.850]
desenhando apenas metade do aterro.

[00:53:08.550]
Agora, vou criar a análise do SEEP/W

[00:53:11.450]
para iniciar as condições de água e infiltração no domínio

[00:53:15.300]
e também construir os desvios na vertical do aterro usando o SIGMA/W,

[00:53:18.420]
exatamente como fiz no primeiro aterro.

[00:53:21.030]
As etapas são quase idênticas.

[00:53:22.730]
Então, vou acelerar o processo para poupar tempo.

[00:53:27.190]
Aqui, eu ajusto o tamanho e a forma do mesh.

[00:53:35.870]
Desenho os materiais das regiões.

[00:53:38.550]
Os materiais são os mesmos que para o aterro A.

[00:53:42.345]
Agora, aplico as condições de limite hidráulico da carga total

[00:53:45.660]
na parte inferior do domínio e resolvo.

[00:53:49.880]
Agora, crio a análise in situ do SIGMA/W

[00:53:52.750]
para iniciar as tensões.

[00:54:03.100]
Apliquei condições de limite de deslocamento fixo

[00:54:06.340]
na parte inferior e nas laterais.

[00:54:08.010]
E observe aqui que eu apliquei a condição de limite X fixa

[00:54:10.420]
a todo o lado esquerdo da geometria.

[00:54:13.860]
Até mesmo às regiões de desvio na vertical que atualmente estão vazias.

[00:54:17.540]
Isso não afetará a análise in situ,

[00:54:19.890]
mas afetará a próxima análise de consolidação do SIGMA/W.

[00:54:24.380]
Eu poderia ter desenhado cada parte

[00:54:26.570]
depois que os desvios na vertical tivessem sido colocados individualmente,

[00:54:29.290]
mas isso economiza um pouco de tempo.

[00:54:32.130]
Agora, resolvo a análise

[00:54:34.220]
e verifico se as tensões são apropriadas.

[00:54:38.020]
Em seguida, adiciono o primeiro desvio na vertical do aterro

[00:54:41.950]
usando uma análise de consolidação do SIGMA/W.

[00:54:50.410]
Eu aplico o material ao primeiro desvio na vertical

[00:54:52.370]
e aplico as condições de limite hidráulico,

[00:54:54.980]
como fiz anteriormente.

[00:55:04.820]
Vou adicionar os desvios na vertical restantes

[00:55:06.560]
como análises de consolidação do SIGMA/W separadas

[00:55:09.480]
e inspecionar os resultados.

[00:56:05.930]
A geração de gráficos da poropressão

[00:56:07.350]
debaixo da linha central do aterro

[00:56:09.160]
mostra que a carga criada

[00:56:10.690]
pela construção do aterro

[00:56:12.870]
criou excesso de poropressão.

[00:56:25.480]
A linha vermelha é o perfil da poropressão

[00:56:27.730]
antes do início da construção.

[00:56:31.760]
Também posso gerar o gráfico do recalque da superfície

[00:56:33.670]
ao longo de todo o comprimento da geometria

[00:56:35.670]
no topo da crosta dessecada.

[00:56:47.130]
Os recalques atualmente atingem,

[00:56:49.300]
no máximo, 8,7 centímetros abaixo do aterro.

[00:56:54.150]
Também podemos ver uma elevação perto da broca do aterro,

[00:56:56.880]
que atinge cerca de 4,5 centímetros.

[00:57:09.160]
Finalmente, deslocamentos laterais

[00:57:11.210]
mostrar que a broca do aterro

[00:57:13.180]
está se movendo para a direita, o que também pode ser visto

[00:57:16.050]
desenhando os vetores de deslocamento XY.

[00:57:28.590]
Neste ponto, é interessante realizar

[00:57:30.640]
uma análise de estabilidade para verificar qual o impacto

[00:57:33.510]
dessa sequência de construção mais lenta

[00:57:35.680]
e da menor altura do aterro

[00:57:38.416]
em comparação com o aterro.

[00:57:41.420]
Novamente, adiciono uma análise de estabilidade baseada em tensão do SLOPE/W

[00:57:45.940]
na parte de trás da árvore de análise.

[00:58:00.720]
Desta vez, o fator de segurança é de cerca de 1,5,

[00:58:04.710]
o que é muito maior do que anteriormente,

[00:58:06.840]
e não sugere problemas de estabilidade.

[00:58:10.170]
Esse resultado está alinhado com o que esperávamos.

[00:58:14.940]
A última análise que realizaremos aqui

[00:58:17.170]
é uma análise de dissipação.

[00:58:19.610]
Em certo sentido, uma análise de dissipação

[00:58:21.610]
é apenas uma análise de consolidação padrão,

[00:58:24.530]
mas à qual nenhuma carga adicional é adicionada.

[00:58:27.480]
O objetivo é simplesmente deixar o tempo passar

[00:58:29.950]
à medida que o excesso de poropressão se dissipa

[00:58:32.740]
e o solo se consolida.

[00:58:35.620]
Para realizar essa análise,

[00:58:37.180]
vou adicionar outra análise de consolidação do SIGMA/W.

[00:58:40.530]
na Analysis Tree (Árvore de análise).

[00:58:42.740]
Observe que, ao acessar a Visualização de definição

[00:58:45.400]
e definir o projeto,

[00:58:47.030]
vou selecionar a fase seis da construção

[00:58:50.790]
já que ela é o pai ao qual eu quero adicionar um filho,

[00:58:54.360]
não à análise da estabilidade de taludes.

[00:58:57.480]
Na guia Hora, vou ajustar a duração para 2000 dias

[00:59:01.870]
e aumentar o número de etapas para 50.

[00:59:05.870]
Para ter certeza de que tenho resolução suficiente nas fases iniciais

[00:59:09.340]
da análise nas quais a poropressão

[00:59:11.600]
vai variar mais rapidamente,

[00:59:13.590]
vou alternar as etapas para aumentar exponencialmente

[00:59:18.090]
e ajustar o tamanho inicial do incremento para um dia.

[00:59:22.040]
Por fim, vou salvar os resultados da análise a cada 10 etapas.

[00:59:25.870]
Já que registrar todas as etapas de cálculo

[00:59:27.790]
fornecerá mais dados do que eu realmente preciso,

[00:59:30.640]
incluir menos etapas seguras acelerará os cálculos.

[00:59:35.400]
Na janela à direita,

[00:59:36.880]
posso ver os incrementos de tempo, bem como os pontos seguros

[00:59:40.270]
que serão registrados.

[00:59:43.290]
Agora, posso resolver a análise de dissipação.

[00:59:46.060]
Não há mais etapas para executar

[00:59:48.520]
porque as condições de limite permaneceram as mesmas de antes.

[00:59:53.600]
Assim que a análise é resolvida,

[00:59:56.320]
posso, mais uma vez, inspecionar os resultados.

[00:59:59.530]
A geração de gráficos da poropressão debaixo do aterro

[01:00:02.030]
mostra como o excesso de poropressão

[01:00:04.140]
que tinha sido gerado pela construção do aterro

[01:00:07.840]
agora, na maior parte, se dissipou após 2000 dias.

[01:00:12.130]
O excesso de dissipação de poropressão que vemos

[01:00:15.100]
é sinônimo de consolidação do solo.

[01:00:18.520]
A geração de gráficos de recalque da superfície durante esses 5,5 anos,

[01:00:22.300]
ou 2000 dias, revela que a deformação vertical

[01:00:25.550]
no meio do aterro

[01:00:27.140]
passou de 11 centímetros para quase 55 centímetros.

[01:00:32.910]
Esse é o resultado direto da consolidação

[01:00:35.890]
da argila macia que ocorreu

[01:00:37.400]
à medida que a poropressão excessiva se dissipava.

[01:00:43.260]
Isso conclui a parte de demonstração do webinar.

[01:00:46.640]
Por uma questão de tempo, não mostrei gráficos de comparação

[01:00:50.120]
entre os resultados simulados no GeoStudio

[01:00:52.830]
e resultados do estudo original de Cubzac-les-Ponts.

[01:00:56.450]
Os usuários interessados devem baixar o exemplo do website,

[01:00:59.440]
que contém o arquivo GeoStudio para você revisar,

[01:01:02.750]
bem como um PDF com comentários detalhados

[01:01:04.730]
sobre o estudo de caso.

[01:01:08.573]
Então, isso conclui a edição de outubro

[01:01:10.620]
da nossa série de webinars Tech Talk sobre o GeoStudio.

[01:01:13.780]
O webinar focado no GeoStudio Core,

[01:01:16.530]
o grupo de produtos que inclui SLOPE/W, SEEP/W

[01:01:19.377]
e SIGMA/W.

[01:01:21.260]
Vimos como cada produto cumpre seu próprio papel

[01:01:24.950]
por meio de uma abordagem de solução integrada.

[01:01:27.810]
Também analisamos como um processo de modelagem numérica completo

[01:01:31.230]
deve ser conduzido.

[01:01:33.300]
E seis etapas importantes foram apresentadas.

[01:01:36.670]
Conceitualizar um problema complexo

[01:01:39.070]
em um modelo simples e gerenciável.

[01:01:41.510]
Escolher as forças físicas apropriada

[01:01:42.920]
que devem ser levadas em consideração.

[01:01:45.280]
Escolher e priorizar as leis

[01:01:47.330]
constitutivas apropriadas que representam corretamente os solos

[01:01:50.550]
que queremos modelar.

[01:01:52.520]
Aplicar condições de limite

[01:01:53.910]
para conduzir a análise ou impor restrições apropriadas.

[01:01:57.870]
Resolver a análise

[01:01:59.386]
depois que o modelo está definido corretamente

[01:02:01.300]
e interpretar os resultados.

[01:02:03.100]
E, finalmente, verificar os resultados

[01:02:05.430]
para garantir que eles representam adequadamente

[01:02:07.300]
o que pretendíamos modelar.

[01:02:09.850]
Cada uma dessas etapas exige reflexão

[01:02:12.900]
e pode nos levar a reconsiderar algumas escolhas

[01:02:14.870]
que fizemos anteriormente no processo de modelagem.

[01:02:18.820]
Também discutimos o que são relacionamentos pai-filho

[01:02:22.530]
e como ajudam a estruturar uma hierarquia prática

[01:02:25.150]
dentro da árvore de análise.

[01:02:27.960]
A parte final do webinar foi dedicada à construção do

[01:02:30.380]
exemplo de Cubzac-les-Ponts,

[01:02:32.380]
no qual a sequência de construção de dois aterros

[01:02:34.820]
construídos em argila macia é simulada

[01:02:36.500]
usando os produtos GeoStudio Core.

[01:02:39.150]
Vimos que o rompimento do aterro A

[01:02:41.260]
e o comportamento de longo prazo do aterro B

[01:02:43.530]
podem ser simulados apropriadamente no GeoStudio.

[01:02:46.922]
Não se esqueça de que você pode baixar o exemplo

[01:02:48.730]
do nosso website

[01:02:49.563]
se você quiser experimentar essa carga de trabalho por conta própria.

[01:02:53.080]
Se quiser que novos recursos sejam

[01:02:55.680]
adicionados ao GeoStudio Core, não hesite em fazer sugestões

[01:02:59.230]
enviando solicitações de suporte.

[01:03:02.510]
Por fim, não se esqueça de que o conteúdo de aprendizado do GeoStudio

[01:03:05.420]
está disponível gratuitamente no website da Seequence.

[01:03:08.500]
Oferecemos três cursos

[01:03:09.930]
que fazem parte do nosso sistema de gerenciamento de aprendizado.

[01:03:12.220]
Noções básicas do GeoStudio, fundamentos do SLOPE/W

[01:03:15.100]
e fundamentos do SEEP/W.

[01:03:17.450]
Acesse seequent.com,

[01:03:19.270]
crie seu Seequent ID usando o endereço de e-mail da sua empresa

[01:03:22.440]
e aproveite esses incríveis

[01:03:25.090]
recursos de aprendizado de graça.

[01:03:28.550]
Chegamos ao fim deste webinar.

[01:03:31.630]
Uma gravação dele estará disponível para visualização online.

[01:03:35.870]
Reserve um tempo para responder a uma breve pesquisa

[01:03:37.870]
que aparecerá na tela.

[01:03:39.130]
Assim, saberemos em que tipo de webinar

[01:03:40.920]
você está interessado em participar no futuro.

[01:03:44.150]
Muito obrigado por sua presença

[01:03:45.950]
e tenha um ótimo restante de dia.

[01:03:47.870]
Tchau.