Skip to main content

Em todo o mundo, a infraestrutura legada do setor de transportes tem mostrando o peso da idade, mas precisa continuar funcionando de forma confiável e segura. Os operadores proprietários usam seus dados de formas distintas para enfrentas esses desafios?

Joshua Johnson

Gerente sênior de produtos para o setor de transportes, Bentley Systems

Como os operadores proprietários do setor de transportes podem reduzir os congestionamentos, melhorar a confiabilidade e manter a segurança quando lidam com infraestrutura legada com milhares de quilômetros rodados?

Grande parte da infraestrutura de transportes que usamos hoje está envelhecendo e precisa lidar com volumes de tráfego muito superiores aos originalmente estimados.

Mas os usuários esperam que ela continue funcionando ininterruptamente mesmo além do ciclo de vida esperado.

Enquanto isso, vivemos em um mundo onde os desastres naturais e as mudanças climáticas parecem ameaçar cada vez mais a infraestrutura de transportes e sem nenhum sinal de redução dessas pressões.

A segurança a longo prazo é mais do que restauração

Tradicionalmente, o foco da abordagem é a condição das infraestruturas, ou seja, corrigir falhas e restaurar os ativos rodoviários ou ferroviários à condição em que estavam antes dos problemas. Mas a busca por segurança a longo prazo é mais do que reparo. Ela requer uma mudança de mentalidade, da confiabilidade à resiliência; e essa mudança está relacionada ao papel que os dados podem desempenhar.

Os operadores proprietários de infraestruturas podem planejar com antecedência e garantir a resiliência necessária analisando todos os seus dados de forma muito mais holística e considerando não apenas o uso hoje, mas como outras pessoas podem precisar deles daqui a 10, 20 ou 30 anos.

Eles precisam coletar todos os dados que puderem e integrá-los de forma que permita decisões importantes e holísticas sobre seus ativos.

Essa busca por resiliência e segurança a longo prazo gera uma nova necessidade de dados. Precisamos coletar tudo o que pudermos, como dados do projeto, de monitoramento frequente e de inspeção da construção, além de armazená-los e reutilizá-los de todas as maneiras possíveis, pois se não precisarmos agora, alguém em algum lugar vai precisar.

As interações de subsuperfícies são uma parte crítica da combinação de dados.

Isso significa coleta de dados da superfície do ativo e da superfície em geral, ou seja, do terreno em que foi construído e como ele pode ser modificado por gerações de construções sobrepostas ou afetado por mudanças climáticas, inundações ou terremotos.

Isso é um desafio, pois os corredores de transportes de longa distância são construídos, mas os vários terrenos que eles cobrem inevitavelmente contêm lacunas de dados; portanto, a compreensão das superfícies ao longo dessas vias é parcial.

As soluções com uma abordagem aberta de dados que podem conter informações de várias fontes (de furos de sondagem a levantamentos geofísicos) são cada vez mais importantes para os operadores proprietários, pois eles buscam ampliar a vida útil e garantir a segurança dos seus ativos.

Para obter a versão completa deste recurso com mais ideias, dicas práticas, sugestões de produtos e um estudo de caso, faça o download do nosso eBook.

Controle do solo
Seis maneiras para o setor de transportes enfrentar os desafios relacionados à subsuperfície em seus projetos

Confira o nosso novo eBook

Faça o download agora