Skip to main content
Insights do setorMeio ambiente

INCRÍVEL GEOLOGIA – a captura de carbono está crescendo e se tornando mais audaciosa

By setembro 27, 2022outubro 16th, 2022No Comments

Nos próximos dois anos, é aguardada a conclusão de alguns dos maiores e mais ambiciosos projetos do mundo para captura de carbono em grande escala. Mas será que o desafio que eles enfrentam é grande demais para ser vencido?

A engenharia de captura de carbono percorreu um longo caminho em menos de 20 anos. Anteriormente, a tecnologia extraía apenas alguns gramas do ar. Agora, ela é capaz de capturar milhares de toneladas.

Localizada na Islândia, a Orca é a primeira planta do mundo para remoção de dióxido de carbono em grande escala. Fonte: Climeworks

Por exemplo, ao norte da região centro-oeste dos EUA, o objetivo é capturar CO2 de cerca de 30 usinas de etanol (entre outras fontes industriais) em cinco estados, transportá-lo por gasoduto e armazená-lo em profundidade na subsuperfície da formação de saturação salina Broom Sweep na Dakota do Norte. A geologia da Dakota do Norte é bastante adequada para o armazenamento de CO2 com uma camada de rocha porosa profunda e camadas de rocha de cobertura para manter o CO2 na zona de armazenamento.

Enquanto isso, na Islândia, a planta Orca já captura cerca de 4 mil toneladas de dióxido de carbono do ar por ano, filtrando-o, concentrando-o, misturando-o com água e injetando-o a uma profundidade de mil metros na rocha basáltica abaixo da planta, onde é mineralizado. São necessários aproximadamente dois anos para que a mistura de água e CO2 se transforme em pedra.

Renderização digital da planta Mammoth, da Climework, para captura direta do ar com construção prevista para os próximos anos. Fonte: Climeworks

No entanto, o recorde de captura direta do ar pertencente à Orca poderá ser ofuscado em breve por outro projeto islandês, a Mammoth, que começou no início de 2022. Dez vezes maior, com 80 coletores em vez de 8 da Orca, esse projeto deve capturar cerca de 36 mil toneladas de CO2 da atmosfera por ano.

Além disso, neste ano, a Occidental Petroleum anunciou planos para aumentar ainda mais as apostas construindo uma planta de captura direta do ar na Bacia do Permiano no oeste do Texas, que pode capturar permanentemente de 500 mil a 1 milhão de toneladas por ano. Esse valor seria maior do que de todas as atuais plantas de captura e armazenamento de carbono atmosférico.

500 mil toneladas. Mas o que isso significa?
Colocar esse tipo de número em perspectiva é difícil até mesmo para os especialistas em captura de carbono. As estimativas do volume médio global de dióxido de carbono gerado por cidadão variam muito e estão em constante mudança; elas variam de 30 toneladas por pessoa em alguns estados produtores de petróleo a menos de 0,5 toneladas em áreas remotas da África. Mas, considerando a humanidade como um todo, a média aproximada é um pouco inferior a 5 toneladas por ano.

Portanto, mesmo uma meta ambiciosa de 500 mil toneladas a serem capturadas por ano representa pouco mais do que a produção de 100 mil pessoas. Em nações desenvolvidas, isso seria o equivalente à produção de 30 mil a 40 mil pessoas.

Em relação ao volume, uma maneira mais fácil de interpretar esse valor, com pressão e temperatura padrão, uma tonelada de dióxido de carbono enche uma esfera de cerca de 10 metros de diâmetro. Um carro de uso médio nos EUA produz esse volume a cada três meses.

(Worldometer, NASA, governo do Reino Unido)

Capacidade e potencial
Mas, por mais ousados que esses projetos possam ser, o escopo do desafio que enfrentam continua imenso. A energia necessária para extrair CO2 do ar é significativa e, logicamente, deve ser renovável. A Mammoth pode atingir seus objetivos em grande parte, pois contará com a usina Hellisheiði da Islândia, a terceira maior usina de energia geotérmica do mundo. Os projetos que visam compensar a produção de CO2 de combustíveis fósseis podem ser bem-sucedidos e bem-intencionados, mas será que não aumentam a dependência dos combustíveis fósseis? E mesmo quando todos esses grandes projetos estiverem em operação, ainda serão uma gota no oceano atmosférico. Quando estiver em operação, a Mammoth, por exemplo, irá capturar 36 mil toneladas de dióxido de carbono por ano. Em 2021, as emissões globais de CO2 atingiram 36 bilhões de toneladas.

A engenhosidade e a determinação dos engenheiros ambientais e das empresas por trás desses projetos não podem ser negadas. E eles argumentam, com razão, que pelo menos estão fazendo algo. Mas será que toda essa inovação poderia ser melhor aproveitada do ponto de vista ambiental?

Leia mais histórias sobre o setor ambiental

Saiba mais